10:13 12 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    231136
    Nos siga no

    O FBI afirmou que pesquisadores chineses com laços militares secretos estão ativos em dezenas de cidades dos EUA, assim como o principal diplomata estadunidense instou o "mundo livre" a se unir contra Pequim e cortar os "tentáculos do monstro Frankenstein".

    Por meio de uma série de entrevistas recentes, o FBI descobriu um "esforço conjunto" de vários cidadãos chineses que conduzem pesquisas científicas nos EUA para "esconder sua verdadeira afiliação" ao Exército de Libertação Popular (ELP), com a intenção de " tirar proveito dos EUA e do povo norte-americano.

    "Desde então, quatro desses indivíduos foram acusados ​​de fraude de visto", informou o Departamento de Justiça dos EUA.

    A acusação ocorre quando Washington aumenta a tensão com Pequim, expulsando funcionários diplomáticos chineses de um consulado em Houston no início desta semana, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, alertou que outras instalações poderiam ser fechadas.

    'Comunistas quase sempre mentem'

    Duvidando da retórica anti-China, o secretário de Estado Mike Pompeo apareceu na Biblioteca Presidencial de Nixon, na Califórnia, na quinta-feira (23), para apresentar um discurso contra Pequim - que ele intitulou "China Comunista e o Futuro do Mundo Livre".

    Durante o discurso de 40 minutos, Pompeo pediu aos aliados dos EUA que se unissem a um esforço mundial para "induzir mudanças" no comportamento do país, alertando que Pequim é uma ameaça para "nosso povo e nossa prosperidade".

    "Se o mundo livre não mudar a China comunista, certamente nos mudará", afirmou ele.

    Donald Trump, presidente dos EUA, e Xi Jinping, presidente da China
    © AP Photo / Andrew Harnik
    Donald Trump, presidente dos EUA, e Xi Jinping, presidente da China

    Enquanto Pompeo disse que o governo adotou uma abordagem "dura" para a China, ele insistiu que outras nações se unissem à iniciativa de "capacitar o povo chinês", parando pouco antes de pedir uma mudança de regime definitiva.

    "Cada nação terá que entender como proteger sua segurança nacional, sua prosperidade econômica e seus ideais dos tentáculos do Partido Comunista Chinês", afirmou Pompeo. "O presidente Nixon disse uma vez que temia ter criado um 'Frankenstein' ao abrir o mundo ao [Partido Comunista Chinês]... E aqui estamos nós".

    O secretário de Estado condenou o presidente chinês Xi Jinping como um "verdadeiro crente em uma ideologia totalitária falida" e "destinado a tiranizar", afirmando que "os comunistas quase sempre mentem".

    Embora Washington continue a negociar com Pequim, as "conversas são diferentes hoje em dia", disse Pompeo, acrescentando que o Ministério da Administração agora está "desconfiado e verificado" - dando uma nova guinada em um provérbio famoso de Ronald Reagan em seu discurso sobre as relações com a antiga União Soviética.

    Ação e retaliação

    Enquanto os EUA avançam em direção à eleição presidencial de novembro, Washington desencadeou uma série de acusações em Pequim nos últimos meses - desde culpar o país pela pandemia do novo coronavírus até atacar supostos abusos de direitos em Hong Kong e em outros lugares.

    A China negou repetidamente irregularidades, insistindo que os EUA estão apenas distraindo seus próprios problemas internos. No entanto, retaliou algumas das medidas mais hostis de Washington, mais recentemente determinando que um escritório do consulado dos EUA na cidade de Chengdu fosse fechado em resposta ao tratamento dado em Houston dias antes.

    Mais:

    Austrália, Japão e EUA conduzem exercícios no mar das Filipinas em meio a tensões com China
    Sem parque industrial, analistas preveem Brasil prejudicado por guerra comercial entre China e EUA
    Think tank: EUA começam a perder influência na América Latina para China
    Tags:
    embaixada, comunistas, Partido Comunista Chinês, diplomacia, espionagem, FBI, Xi Jinping, Donald Trump, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar