22:44 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7434
    Nos siga no

    Jorge Arreaza respondeu à declaração conjunta de Estônia, Letônia e Lituânia sobre pedido de "eleições presidenciais livres", ligando a posição dos países bálticos a uma subserviência aos EUA.

    O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, recomendou que os países bálticos "tirem as mãos da Venezuela". O conselho foi dado após os ministros das Relações Exteriores da Estônia, da Letônia e da Lituânia emitirem uma declaração expressando apoio a um "governo de transição".

    Lituânia, Letônia e Estônia? Com todo o respeito... Será que eles conseguiriam localizar a Venezuela em um mapa? Terão eles revisado primeiro o direito internacional ou o direito constitucional venezuelano? Será isso apenas uma formalidade exigida por Washington? Recomendação: tirem as mãos da Venezuela e cuidem da sua vida.

    O comunicado conjunto de Lituânia, Letônia e Estônia apelava para eleições presidenciais na Venezuela.

    "Os ministros bálticos das Relações Exteriores, Urmas Reinsalu, Edgars Rinkevics e Linas Linkevicius, expressaram seu apoio a um processo moldado e impulsionado pelos venezuelanos para estabelecer em breve um governo de transição inclusivo que levará o país a eleições presidenciais livres e justas."

    "Todas as instituições estatais venezuelanas devem ser incluídas neste processo. A situação humanitária, social e política na Venezuela continua se deteriorando, o que ressalta a necessidade de uma transição política pacífica e inclusiva que restaure a democracia", afirmaram os ministros em uma declaração publicada nos sites das chancelarias de cada um dos países.

    O documento assegura ainda que a pandemia da COVID-19 torna urgente "pôr um fim ao status quo" no país sul-americano.

    Mais:

    Alinhamento com EUA explicaria alerta do Ministério da Defesa para tensões na América Latina
    Analista: histórico mostra que pôr Maduro contra a parede não significa muito
    Trump ordenou administração para usar qualquer ferramenta contra Maduro, segundo Bloomberg
    Pompeo: não há 'nenhuma evidência' que Maduro vá realizar eleições livres na Venezuela
    Tags:
    COVID-19, Linas Linkevicius, Edgars Rinkevics, EUA, Países Bálticos, Estônia, Lituânia, Letônia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar