04:03 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    243
    Nos siga no

    O rapper e produtor Kanye West participou neste domingo (19) de lançamento de sua campanha para as eleições presidenciais dos Estados Unidos, marcadas para 3 de novembro. 

    Em um ato realizado em Charleston, na Carolina do Sul, o artista chorou, criticou o aborto e a pornografia e menosprezou uma reconhecida abolicionista norte-americana. O evento foi fechado para convidados, com os presentes vestindo máscaras e mantendo distanciamento social.

    Com um discurso descrito como bastante confuso pela mídia, ele contou que pediu para sua mulher, a socialite Kim Kardashian, fazer um aborto quando ela estava grávida da filha mais velha do rapper. 

    "Eu quase matei minha filha, eu quase matei minha filha!", gritou, segundo a agência AFP. 

    'Meu pai queria me abortar'

    Além disso, afirmou que seu pai também desejou que a mãe de West interrompesse a gravidez. 

    "Meu pai queria me abortar. Minha mãe salvou minha vida. Não haveria Kanye West porque meu pai estava muito ocupado", disse entre lágrimas. Apesar das declarações, ele pareceu sugerir que o aborto deveria ser legalizado. 

    "A única coisa que pode nos libertar é obedecer às regras que nos foram dadas para uma terra prometida. O aborto deve ser legal por quê? Adivinhe: a lei não é de Deus, então o que é legalidade?", disse West, segundo a agência Reuters.

    Em outro momento, ele falou sobre a abolicionista e ativista Harriet Tubman, que foi escrava no século 19 e, após fugir, liderou missões para libertar centenas de cativos. 

    "Harriet Tubman, na realidade, nunca libertou escravos. Ela apenas mandou os escravos trabalharem para outras pessoas brancas", disse West. 

    Dúvidas sobre candidatura

    As declarações do produtor repercutiram nas redes sociais e receberam muitas críticas. Em 4 de julho, faltando quatro meses para a votação, Kanye West lançou sua candidatura por meio do Twitter. O rapper se dizia apoiador do presidente estadunidense, Donald Trump, com quem se encontrou na Casa Branca em 2018. 

    Presidente dos EUA, Donald Trump, encontra rapper Kanye West
    © AP Photo / Evan Vucci
    Em 2018, Kanye West encontrou Trump na casa branca. O rapper, que sempre defendeu o republicano, disse recentemente que não apoiava mais o presidente dos EUA

    Na semana passada, a mídia norte-americana chegou a publicar que ele teria desistido de concorrer. Ele perdeu o prazo para se registrar como candidato presidencial em vários estados, e muitos se questionam se suas intenções são sérias, marketing ou se ele apenas quer transmitir alguma mensagem. 

    "Liberdade não vem de uma eleição. Liberdade vem de você não baixar pornografia. Liberdade vem de você não tomar Percoset [opioide usado para tratamento de dores e que pode levar à dependência]", afirmou West, que citou a Bíblia e ensinamentos cristãos por diversas vezes.

    Mais:

    Impeachment seria 'interferência massiva' nas eleições dos EUA, diz defesa de Trump
    Conversas vazadas entre Poroshenko e Joe Biden podem 'dar jeito' a Donald Trump nas eleições nos EUA
    Joe Biden é oficializado como candidato democrata e enfrentará Trump nas eleições dos EUA deste ano
    Tags:
    abolição, aborto, Hip Hop, rap, Carolina do Sul, presidência, Casa Branca, campanha, EUA, eleições, Donald Trump, Kanye West
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar