22:12 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1260
    Nos siga no

    Caracas decretou intensificação de esforço contra trocheros, pessoas que facilitam entradas e saídas ilegais do país através de Colômbia e Brasil, relatando também sucesso contra crime comum.

    O governo venezuelano anunciou guerra a grupos criminosos que, em meio à pandemia da COVID-19, estão transportando pessoas através de passagens ilegais da fronteira com a Colômbia e o Brasil, conhecidos como trocheros.

    "Aqueles que procuram fugir do solo nacional, ou que procuram entrar em território nacional através das estradas verdes [irregulares], os chamados trocheros [...] declaramos guerra aos trocheros e vamos aplicar a lei orgânica contra o crime organizado e o financiamento do terrorismo", afirmou Néstor Reverol, o ministro de Justiça e Paz da Venezuela, durante emissão da Venezolana de Televisión.

    Durante a cerimônia de graduação da polícia transmitida pela emissora estatal Venezolana de Televisión, o alto responsável afirmou que quem for detectado realizando os atos será imediatamente transferido para a instalação de segurança máxima El Dorado, no estado de Bolívar, sul do país.

    Reverol também destacou o papel que as forças policiais tiveram nos quatro meses de quarentena que o país enfrentou, bem como o sucesso em termos de segurança pública.

    Neste sentido, ele disse que o Ministério do Interior conseguiu reduzir a incidência da criminalidade em 46,21% e o número de homicídios em 41%, razão pela qual ele assegurou que os chamados quadrantes de paz (grupos policiais divididos por zona) têm sido eficazes.

    Mais:

    Venezuela celebra Dia da Independência com desfile militar (FOTOS)
    EUA estariam recomeçando 'guerra híbrida' na América Latina a partir de Colômbia?
    'Pretexto oportunista': chanceler cubano condena operação militar dos EUA perto da Venezuela
    Tags:
    Ministério do Interior, Bolivar, Néstor Reverol, COVID-19, Colômbia, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar