22:01 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 101
    Nos siga no

    O Conselho Norueguês para Refugiados e a Cruz Vermelha teriam fornecido os alimentos, que Caracas criticou como sendo feito de maneira duvidosa, mas dizendo que entregaria as parcelas ao destino.

    O governo venezuelano confirmou a prisão de três colombianos na quinta-feira (16) que supostamente estavam transportando ajuda humanitária. Caracas indicou que entregaria os alimentos, mas a embarcação e os colombianos seriam detidos para investigações.

    "A Venezuela expressa sua vontade de entregar à Cruz Vermelha colombiana ou ao Conselho Norueguês para Refugiados os alimentos destinados a apoiar as comunidades indígenas na Colômbia."

    "Contudo, em virtude da suposta comissão de crimes, [...] a embarcação e os membros da tripulação permanecerão sob as ordens dos tribunais nacionais", disse o Ministério das Relações Exteriores venezuelano em um comunicado.

    A chancelaria da Colômbia acusou a Venezuela de deter os três cidadãos colombianos, que levavam ajuda humanitária aos indígenas, quando "eles navegavam nas proximidades do rio Negro, entre San Felipe e Puerto Colombia [fronteiriços]".

    "Os três ocupantes do barco colombiano CEJAL 1 transportavam ajuda humanitária concedida pelo Conselho Norueguês para Refugiados: 73 kits de higiene e 73 cestas básicas para as comunidades indígenas que vivem naquela zona fronteiriça", afirmou.

    O governo de Iván Duque solicitou a libertação imediata dos três detidos e acusou a Venezuela de violar a livre navegação nos rios comuns, bem como de interromper o trabalho humanitário em meio à pandemia da COVID-19.

    Governo venezuelano se defende

    A chancelaria da Venezuela explicou que a Guarda Nacional (parte do exército) estava patrulhando para detectar e combater incursões paramilitares da Colômbia, bem como o contrabando de combustível, quando encontrou a referida embarcação no setor Caño Guzmán, em território venezuelano.

    De acordo com o relatório das autoridades venezuelanas, a inspeção constatou que o barco não tinha documentos para suportar a carga, que incluía 47 sacos de alimentos, 45 quilos de material metálico, presumivelmente cobre, e 38 galões para transporte de combustível, que ocupavam 80% da embarcação.

    As autoridades venezuelanas criticaram o Conselho Norueguês para Refugiados e a Cruz Vermelha por colocar em risco a possível condição humanitária da carga "contratando transportes que, com base nas provas, são sem dúvida utilizados para fins criminosos".

    Mais:

    Venezuela acusa opositor de tramar incursão contra Maduro da sede do governo espanhol em Caracas
    COVID-19: líder colombiano põe em dúvida a situação na Venezuela: 'é uma bomba-relógio'
    Maduro acusa Colômbia de tentar contaminar Venezuela com COVID-19
    Venezuela denuncia à ONU tentativa de incursão marítima 'organizada e financiada' por Colômbia e EUA
    Tags:
    Ministério das Relações Exteriores da Venezuela, Cruz Vermelha, Conselho Norueguês para Refugiados, Ministério das Relações Exteriores, Colômbia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar