03:39 30 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de julho (46)
    1330
    Nos siga no

    Colômbia, Brasil, México e Arábia Saudita estão entre os países que enviaram pedidos para o medicamento fabricado na Rússia contra a COVID-19, e que já respondeu bem durante os ensaios clínicos, disse o diretor-geral do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo), Kirill Dmitriev.

    "O Avifavir já foi comprado não apenas pelos vizinhos da Rússia, Bielorrússia e Cazaquistão, mas também pela Colômbia, Brasil, Bulgária, México, Arábia Saudita, Peru e muitos outros países, além de mais de 50 países estarem enviando pedidos de compra", escreveu Dmitriev em um artigo na revista Newsweek na terça-feira (13).

    O Avifavir foi o primeiro medicamento fabricado na Rússia a receber a aprovação do Ministério da Saúde no final de maio e os ensaios clínicos demonstraram ser 90% eficazes no tratamento da COVID-19.

    A Rússia está liderando a distribuição do tratamento para outros países, uma vez que o Remdesivir, outro medicamento antiviral que demonstrou sua eficácia no tratamento da doença, será mais lento em alcançar o mercado internacional à luz de um acordo entre o governo dos Estados Unidos e o produtor da droga, a Gilead Sciences, explicou Dmitriev.

    Medicamento contra COVID-19 produzido na Rússia com base na substância experimental antiviral Favipiravir
    © Sputnik / Aleksei Maishev
    Medicamento contra COVID-19 produzido na Rússia com base na substância experimental antiviral Favipiravir
    "Embora o Remdesivir não esteja disponível para envio internacional por algum tempo devido a compras maciças do governo dos EUA, já lançamos a distribuição internacional do Avifavir e aumentamos nossa produção para 300 mil por mês, para atender à demanda local e internacional", afirmou o diretor-geral do RFPI.

    No sábado (11) passado, Dmitriev disse que os países da América Latina serão os primeiros a receber suprimentos de Avifavir. O diretor-geral do RFPI também pediu que o tratamento fosse distribuído para pacientes ambulatoriais, uma vez que o medicamento é mais eficaz quando usado no início da doença.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de julho (46)

    Mais:

    Imunidade à COVID-19 pode durar poucos meses, aponta estudo no Reino Unido
    Sem vacina em 2020: 'abre e fecha' será rotina no Brasil da COVID-19, prevê pneumologista
    Com mais de 20 mil novos casos, Brasil se aproxima das 2 milhões de infecções pela COVID-19
    Tags:
    Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI), tratamento, pandemia, América Latina, novo coronavírus, COVID-19, saúde, Rússia, medicamento, Arábia Saudita, México, Colômbia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar