03:55 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 85
    Nos siga no

    Os detentos da prisão do Condado de Madison não têm permissão para utilizar o material protetor, pois os funcionários temem que possam engolir o fio de metal que faz parte das máscaras.

    Um funcionário de uma prisão no estado de Alabama, EUA, explicou na quinta-feira (9) que não permitirá que os reclusos usem máscaras porque podem engolir o arame que estas possuem.

    De acordo com Brent Patterson, porta-voz do gabinete do xerife do Condado de Madison em Huntsville, todas as máscaras encontradas na posse dos presos no presídio do Condado de Madison foram confiscadas e proibidas, por preocupação com a segurança dos detentos.

    "Você dá para eles máscaras [com] um arame para o nariz, eles vão comê-las, eles vão engoli-los", disse Patterson, explicando que, com este arame, eles poderiam acabar se ferindo ou ferindo outros reclusos, e que as pessoas iriam perguntar por que é que as prisões deram objetos potencialmente perigosos aos presos.

    Anteriormente, segundo a mídia Al.com, um homem de 33 anos de idade, que tinha sido preso por delitos menores cometidos durante um protesto, foi proibido de usar máscara protetora enquanto estava sob custódia.

    "É ridículo. Fui exposto a uma condição insegura. Penso que é muito, muito irresponsável da parte deles, sabendo como as máscaras são importantes, continuar prendendo pessoas e arriscar sua saúde", disse Moore, o homem preso.

    De acordo com o gabinete do xerife, os funcionários da prisão devem agora usar máscaras, mas os presos não podem fazê-lo por segurança.

    Mais:

    Cidadão dos EUA é condenado na Rússia a 16 anos de prisão por espionagem
    Nos EUA, prisioneira tenta escapar, mas acaba caindo do teto em cima de balde de lixo (VÍDEO)
    De Alcatraz a Parkhurst: como prisioneiros fugiram de prisões de segurança máxima
    Julian Assange deixa a solitária em prisão no Reino Unido
    Tags:
    Alabama, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar