03:55 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    9610
    Nos siga no

    O secretário de Estado norte-americano realizou uma coletiva de imprensa em que discutiu várias questões, incluindo Irã, Rússia e o controle de armas nucleares.

    O objetivo dos EUA não é estender o embargo de armas das Nações Unidas ao Irã por um curto período de tempo, declarou o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, em uma entrevista coletiva em Washington D.C. na quarta-feira (1º).

    "Antes de mais nada, nosso objetivo não é estender o embargo de armas por mais um curto período de tempo", afirmou o alto responsável, dizendo que isso depende de o Irã deixar de comprar armas da Rússia e da China.

    Vale relembrar "e ver as observações da anterior administração [de Barack Obama] sobre o fato de os Estados Unidos terem o direito inequívoco, sem o consentimento de qualquer outra nação, de assegurar que este embargo de armas se mantenha", comentou o secretário de Estado.

    Segundo Pompeo, o objetivo é "manter a segurança do povo americano, mas também para reduzir a instabilidade no Médio Oriente."

    Na semana passada, os Estados Unidos introduziram um projeto de resolução no Conselho de Segurança da ONU que estenderia o embargo de armas ao Irã antes de sua expiração em meados de outubro de 2020.

    A Rússia e a China já expressaram oposição ao projeto de resolução.

    Em 2015, o Irã assinou um acordo nuclear com China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido, EUA, Alemanha e UE.

    O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), estipula que o Irã deve reduzir seu programa nuclear e diminuir seu estoque de urânio em troca da flexibilização das sanções, incluindo o cancelamento do embargo de armas da ONU cinco anos após a adoção do acordo.

    Controle de armas com a Rússia

    O secretário de Estado norte-americano disse lamentar que a China tivesse decidido boicotar as conversações sobre controle de armas entre a Rússia e os EUA, que se realizaram em Viena.

    "Na semana passada, os Estados Unidos e a Rússia realizaram uma primeira rodada de conversações sobre controle de armas nucleares em Viena [...] Infelizmente, Pequim boicotou as conversações para continuar seu histórico de secretismo e rejeição do multilateralismo", afirmou Mike Pompeo.

    Pompeo disse que os Estados Unidos e a Rússia tiveram discussões positivas sobre uma ampla gama de questões, incluindo o acúmulo de armas secretas da China.

    Em 22 de junho, a Rússia e os Estados Unidos realizaram conversações sobre o controle de armas em Viena, em um esforço para resgatar o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Novo START ou START III), que expira em fevereiro de 2021.

    A China recusou repetidamente o convite para participar das conversações, frustrando as esperanças dos Estados Unidos de torná-las trilaterais.

    Antes da reunião de Viena, Marshall Billingslea, enviado presidencial dos EUA para o Controle de Armas, criticou a China por não aderir, publicando uma foto de uma mesa com pequenas bandeiras da Rússia, EUA e China.

    A Rússia, que acusou repetidamente os Estados Unidos de relutância em alargar o START III, questionou a veracidade da imagem.

    A delegação russa disse que não havia bandeiras chinesas na sala de reuniões das consultas bilaterais EUA-Rússia e que "em princípio, não poderia haver nenhuma".

    'Contatos mais frequentes' com Rússia

    Pompeo também referiu que o presidente Donald Trump decidirá se convidará a Rússia para a cúpula do G7, mas é importante e apropriado continuar a ter contatos mais frequentes com Moscou.

    "No que diz respeito à Rússia e ao G7, quando eles [russos] estavam nisso, causavam problemas. estavam causando problemas. Fora disso, eles continuam a representar um risco para nós. Precisamos conversar com os russos. E assim, o presidente decide se ele quer que eles estejam na cúpula [do G7]. É sua decisão, certamente deixarei isso para ele. Mas acredito que é absolutamente importante que têm compromissos mais frequentes com os russos", disse Pompeo.

    Pompeo acrescentou que acredita ser muito importante e apropriado que os Estados Unidos continuem o diálogo com a Rússia para convencer Moscou a "mudar algumas das atividades que são inconsistentes com o que os Estados Unidos deveriam estar fazendo para preservar a segurança e a liberdade para seu próprio povo".

    Mais:

    Irã acusa EUA de violarem direito internacional ao reimporem sanções
    Revogar embargo de armas contra o Irã criaria instabilidade no Oriente Médio, dizem EUA
    Novas sanções dos EUA à Síria enquadram presidente do país Bashar Assad, diz Pompeo
    Irã aguarda que Rússia e China resistam ao plano dos EUA de embargo de armas, diz Rouhani
    Tags:
    JCPOA, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Plano de Ação Conjunto Global, ONU, START III, Irã, G7, Donald Trump, China, Rússia, EUA, Mike Pompeo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar