14:49 22 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1039
    Nos siga no

    Jornal norte-americano continua defendendo que a Rússia esteve envolvida na morte de militares dos EUA no Afeganistão, mas há forte discórdia na política estadunidense sobre o assunto.

    As afirmações da comunidade de inteligência dos EUA de que a Rússia oferecia recompensas pela morte de soldados norte-americanos no Afeganistão são alegadamente apoiadas por dados obtidos que mostram transferências financeiras da Diretoria Principal de Inteligência da Rússia (GRU, na sigla em russo) para uma conta vinculada ao Talibã, relata o jornal New York Times, que cita três funcionários anônimos familiarizados com o assunto.

    Segundo o relatório de terça-feira (30), especialistas norte-americanos concluíram, com base em outras informações, que as transferências provavelmente faziam parte de um programa de recompensa.

    O secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, afirmou em anexo a um tweet nesta quarta-feira (1º) que não há "provas corroborantes neste momento para validar as recentes alegações de atividades malignas por parte de pessoal russo contra as forças norte-americanas no Afeganistão", mas que leva a sério tais ameaças.

    Quero assegurar a todos os nossos membros de serviço que levamos a sério toda e qualquer ameaça potencial contra o pessoal militar dos Estados Unidos.

    No início da terça-feira (30), a secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, declarou que o vazamento de informações classificadas no relatório do NYT prejudica a capacidade dos Estados Unidos de coletar informações e provavelmente significará que a comunidade de inteligência dos EUA não chegará a um consenso para verificar as informações.

    A senadora republicana Joni Ernst afirmou durante uma entrevista coletiva no início do dia 30 que o briefing que ela e outros legisladores receberam das autoridades de inteligência dos EUA a respeito das alegações não mostrou nenhuma corroboração.

    O deputado democrata Adam Schiff pontuou ao diário Wall Street Journal que uma das agências de inteligência dos EUA tem uma visão diferente e provas para contestar as acusações.

    Na sexta-feira (26), o NYT publicou um artigo, citando oficiais de inteligência anônimos, sobre o presidente Donald Trump ter recebido um relatório de inteligência, que alegava que a Rússia poderia ter pago recompensas a militantes ligados ao Talibã para assassinar soldados dos EUA e da coalizão no Afeganistão.

    No início da terça-feira (30), o embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, declarou que as alegações têm o objetivo de interromper a cooperação entre a Rússia e os Estados Unidos.

    Mais:

    Será que Rússia foi excluída do G8 por 'vitórias na política externa', como diz Trump?
    Embaixada russa nos EUA diz receber ameaças após publicação da mídia americana sobre talibãs
    Afeganistão suspende libertação de presos e ameaça acordo entre Talibã e EUA
    Tags:
    Diretoria Principal de Inteligência da Rússia (GRU), GRU, Pentágono, Mark Esper, Joni Ernst, Adam Schiff, Anatoly Antonov, Donald Trump, Talibã, EUA, Rússia, The New York Times
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar