05:51 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2132
    Nos siga no

    O presidente estadunidense, Donald Trump, disse neste domingo (28) que nunca foi informado sobre um suposto pedido da Rússia para talibãs atacarem norte-americanos no Afeganistão em troca de recompensa.

    Segundo reportagem do jornal The New York Times publicada na sexta-feira (26), que cita fontes anônimas de serviços de inteligência dos Estados Unidos, Trump teria sido avisado em março de que a inteligência militar russa supostamente ofereceu a terroristas do movimento Talibã (proibido na Rússia e em vários outros países) recompensa para atacarem soldados norte-americanos no Afeganistão.

    Por meio do Twitter, o republicano afirmou que o serviço de inteligência dos EUA não considerou as informações críveis e por isso não informou Trump nem o vice-presidente, Mike Pence.

    Inteligência acabou de me informar que eles não encontraram esta informação credível, e por isso não informaram isso para mim ou para o vice-presidente. Possivelmente outra farsa sobre Rússia, inventada talvez pelo [propagador de] fake news @nytimesbooks, tentando fazer republicanos parecerem ruins!!!

    Mais cedo, o presidente publicou uma série de posts desmentindo a matéria do jornal e criticando o democrata Joe Biden, provável concorrente de Trump nas eleições norte-americanas. 

    Biden afirmou que se as informações forem verdadeiras, Trump traiu a nação ao não tomar nenhuma atitude diante dos fatos relatados.

    "Ninguém me informou ou falou comigo, com o vice-presidente ou com o chefe de gabinete Mark Meadows sobre os supostos ataques contra nossas tropas no Afeganistão pelos russos, como informado por 'fontes anônimas' ao New York Times. Todos estão negando isso e não houve muitos ataques contra nós", disse Trump. 

    O republicano afirmou também que a reportagem era mais uma "mentira" do jornal, como o "fracassado boato russo", referência às acusações de que ele teria conspirado com a Rússia para interferir nas eleições norte-americanas de 2016, alegação que foi desconsiderada pelo procurador Robert Mueller. 

    Talibã desmente informações

    No sábado (27), por meio de uma nota, a Casa Branca desmentiu as informações do jornal, afirmando que "nem o presidente nem o vice-presidente foram informados da suposta inteligência de recompensa russa". 

    O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, negou que o grupo tenha mantido contato com a Rússia ou com outros países estrangeiros. 

    A embaixada da Rússia em Washington, por sua vez, classificou a reportagem como fake news e exigiu que as autoridades dos EUA reagissem às ameaças recebidas por diplomatas russos por causa da publicação da matéria. 

    ​Os Estados Unidos e os talibãs decretaram uma trégua em fevereiro, que prevê a retirada das tropas norte-americanas do Afeganistão. Os EUA invadiram o país em 2001, após os atentados de 11 de setembro. 

    Mais:

    Trump usa lei da época da Guerra da Coreia para acelerar produção de mísseis hipersônicos
    Governo Trump estuda mudar regras sobre vendas de armas para outros países, diz revista
    Trump publica e depois apaga vídeo de apoiador gritando 'poder branco'
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar