13:47 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    123
    Nos siga no

    O Twitter decidiu responder ao presidente norte-americano Donald Trump, chamando a ordem executiva sobre as mídias sociais de "uma abordagem reacionária e politizada".

    Na quinta-feira (28), Trump assinou uma ordem executiva pedindo uma série de ações legislativas e legais para impedir que plataformas populares de mídia social policiem o conteúdo de seus usuários.

    A empresa tweetou que o pedido viola a liberdade de expressão na Internet.

    ​Esta ordem executiva é uma abordagem reacionária e politizada de uma lei histórica. A sessão 230 protege a inovação e a liberdade de expressão americanas e é sustentada por valores democráticos. Tentativas de corroer unilateralmente ameaçam o futuro da fala on-line e das liberdades da Internet

    A ordem executiva seguiu a recente decisão do Twitter de filtrar os tweets do presidente norte-americano com "checagem de fatos", que o presidente viu como outra tentativa de silenciar vozes conservadoras.

    Anteriormente, o Twitter marcou uma das mensagens do líder americano como sendo falsa e colocou um ícone de aviso por baixo dela com um link para um artigo dizendo que Trump mentiu.

    Aplicativo do Twitter baixando no iPhone
    © REUTERS / Mike Blake
    Aplicativo do Twitter baixando no iPhone

    O presidente norte-americano respondeu ameaçando regulamentar rigorosamente ou "fechar" as redes sociais caso continuem a silenciar as vozes conservadoras. As redes sociais dizem que não reprimem os pontos de vista de ninguém, mas que eliminam ou bloqueiam conteúdos que são contrários às suas regras.

    Mais:

    Trump assina ordem executiva que retira proteção de redes sociais após polêmica com Twitter
    Twitter é petista? Bolsonaristas lançam hashtag para driblar 'sumiço' de adoração a presidente
    Twitter apresenta nova ferramenta para combater informações falsas sobre COVID-19
    Tags:
    ordem executiva, fake news, Donald Trump, Twitter
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar