21:40 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7303
    Nos siga no

    Felipe Solá, ministro das Relações Exteriores da Argentina, apelou em uma conferência para apoiar imigrantes e refugiados venezuelanos, ressaltando que a Argentina é "um país povoado por imigrantes".

    O ministro argentino das Relações Exteriores, Felipe Solá, excluiu, durante uma teleconferência internacional sobre a situação dos refugiados e imigrantes, que as sanções contra a Venezuela possam ter um impacto positivo no país.

    Os bloqueios e sanções "causam muitos problemas para o povo venezuelano e por isso somos contra eles", disse na terça-feira (26) o ministro durante a Conferência Internacional de Doadores, em solidariedade aos refugiados e imigrantes venezuelanos, segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Argentina.

    Durante seu discurso, Solá pediu que a Constituição da Venezuela seja "respeitada" e que quaisquer mudanças venham de dentro e não de fora.

    Nesse sentido, o ministro destacou as contribuições do Grupo de Contato Internacional, promovido pela União Europeia com o apoio da Argentina, em detrimento do Grupo de Lima, que tem mantido uma atitude mais desafiadora em relação ao governo de Nicolás Maduro.

    O Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, recebe o chanceler argentino, Felipe Solá, no Itamaraty em Brasília (DF)
    © Folhapress / Futura Press
    Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, recebe o chanceler argentino, Felipe Solá, no Itamaraty em Brasília (DF)

    Por isso, Solá destacou como critério a "sensibilidade e a busca de soluções concretas" para os imigrantes venezuelanos, ressaltando que os cidadãos daquela nação que se estabeleceram em seu país recebem o mesmo tratamento que "qualquer argentino".

    "Somos um país povoado por imigrantes", disse o ministro durante a conferência, apoiada pela Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e pela Organização Internacional para as Migrações (OIM).

    O ministro argentino disse ainda que "em nosso país, a lei coloca os imigrantes em pé de igualdade com qualquer cidadão argentino e lhes garante acesso à saúde pública, à educação pública e a todos os programas da pandemia".

    Outros participantes

    Além disso, na conferência falaram os presidentes da Colômbia, Iván Duque, do Equador, Lenín Moreno, e o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luís Almagro.

    O evento contou ainda com a participação do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, da ministra espanhola das Relações Exteriores, União Europeia e Cooperação, Arancha González Laya, do alto representante e vice-presidente da Comissão Europeia, Josep Borrell, e do alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi.

    Também participaram da conferência os ministros das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, do Panamá, Alejandro Ferrer; Equador, José Valencia; Costa Rica, Rodolfo Solano Quirós; Uruguai, Ernesto Talvi; Paraguai, Antonio Rivas Palacios; Alemanha, Heiko Maas; Grécia, Nikos Dendias; e Noruega, Marianne Hagen.

    Quando tomou posse em dezembro de 2019, o governo argentino de Alberto Fernández mudou a posição que o país mantinha em relação à Venezuela, se distanciando do Grupo de Lima apoiado pelo seu antecessor, Mauricio Macri (2015-2019).

    Mais:

    Chanceler da Venezuela rebate Araújo e diz que Bolsonaro comete genocídio no Brasil
    Trump perdendo 'batalha naval' para Irã
    Como China e Venezuela constroem nova cooperação bilateral
    EUA travam guerra psicológica contra Venezuela para desmoralizar liderança e povo, diz especialista
    O que os EUA estão fazendo com Venezuela em meio à pandemia 'é uma vergonha', diz especialista
    Maduro envia carta ao povo dos EUA pedindo 'cessação das sanções' contra Venezuela
    Tags:
    Organização Internacional para as Migrações (OIM), Organização Internacional para as Migrações, ACNUR, Nicolás Maduro, União Europeia, Grupo de Contato Internacional (GCI), Venezuela, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar