04:38 12 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Brasil combatendo pandemia da COVID-19 no fim de maio (63)
    3253
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, repudiou nesta terça-feira (26) as indicações de seu colega brasileiro, Ernesto Araújo, que acusou o governo Nicolás Maduro de cometer "um verdadeiro genocídio silencioso" contra seus habitantes.

    "Sr. Ernesto Araújo, o genocídio cruel e escandaloso é cometido pelo [presidente do Brasil] Jair Bolsonaro quando ele abandona e desorienta seu povo em meio a uma terrível pandemia. O Brasil sofre da doença do obscurantismo fascista e a única cura é que o povo volte ao poder", disse Arreaza.

    Essa reação ocorreu depois que Araújo pediu à comunidade internacional que não ficasse calada diante do "genocídio silencioso", que em sua opinião Maduro comete contra sua população, durante sua intervenção em uma videoconferência sobre migrantes venezuelanos organizada pela União Europeia (UE) e Espanha.

    Da sua parte, Arreaza criticou a posição de Bolsonaro em relação à pandemia do novo coronavírus, que, em sua opinião, fez com que muitas pessoas perdessem suas vidas no país vizinho.

    O Brasil completa três meses desde que o primeiro caso de COVID-19 foi detectado no país. Desde então, já tem mais de 23 mil mortes e quase 375 mil casos confirmados, tornando-se o segundo país com mais casos no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

    Tema:
    Brasil combatendo pandemia da COVID-19 no fim de maio (63)

    Mais:

    'Ou você toma cloroquina ou não tem nada', diz Bolsonaro
    Aviso à China? Araújo diz a Bolsonaro que economia mundial está centrada em um país antidemocrático
    'Populismo de Bolsonaro está levando o Brasil ao desastre', diz Financial Times
    Tags:
    diplomacia, relações bilaterais, União Europeia, novo coronavírus, COVID-19, genocídio, Jair Bolsonaro, Ernesto Araújo, Nicolás Maduro, Jorge Arreaza, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar