20:51 29 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    6514
    Nos siga no

    O presidente dos EUA disse que o acordo assinado em janeiro é para cumprir, e que a China se aproveitou da política econômica norte-americana das últimas décadas.

    Donald Trump, o presidente norte-americano, diz não estar aberto a novas negociações sobre o acordo comercial, segundo o jornal South China Morning Post. "Nem um bocadinho, não. Eu não estou interessado", respondeu.

    "Nós assinamos um acordo. Eu também tinha ouvido isso, [que] eles gostariam de reabrir as negociações comerciais para fazer um acordo melhor para eles", comentou o presidente dos EUA em uma coletiva de imprensa na Casa Branca.

    Em referência a uma matéria do jornal Global Times, o jornalista da Reuters que fez a pergunta a Donald Trump assegurou que no governo chinês surgiram "falcões" que desejam novas negociações e pretendem responder diretamente à escalada de acusações por parte dos EUA sobre a COVID-19.

    "Após assinarem a primeira fase do acordo, os EUA intensificam as medidas punitivas em outras áreas, como tecnologia, política e ações militares contra a China. Portanto, se não recuarmos nas questões comerciais, os EUA podem ficar encurralados", observou um conselheiro comercial do governo chinês.

    Trump afirmou que a China tem se beneficiado durante décadas com a política benévola dos presidentes norte-americanos, os quais "permitiram que isso acontecesse".

    "Vamos ver se eles [a China] cumprem o acordo que assinaram", acrescentou.

    Conflitos comerciais

    Depois de uma guerra comercial em 2018 e 2019, no final do último ano as duas maiores economias do mundo concluíram a "fase um" de um acordo comercial, que foi assinado em janeiro de 2020.

    Os EUA acordaram em baixar para metade (7,5%) as tarifas aplicadas a mercadorias chinesas no valor de US$ 120 bilhões (R$ 698,3 bilhões), e cancelaram tarifas propostas no valor de US$ 155 bilhões (R$ 901,8 bilhões), mantendo no entanto uma taxa de 25% sobre produtos no valor de US$ 250 bilhões (R$ 1,45 trilhão).

    Em troca, a China garantiria a compra durante dois anos de produtos norte-americanos em um valor superior a US$ 200 bilhões (R$ 1,16 trilhão), abrangendo artigos manufaturados, produtos e serviços energéticos e produtos agrícolas.

    Trump ameaçou sair do acordo se a República Popular da China não cumprisse os compromissos assinados. Anteriormente, o presidente dos EUA havia abandonado unilateralmente o Acordo de Paris de 2017 sobre mudanças climáticas e, em 2018, o acordo nuclear com o Irã.

    Mais:

    EUA estariam usando coronavírus como '5ª batalha estratégica' contra ascensão da China?
    China exige que EUA cessem discriminação contra suas empresas
    Guerra comercial com China teria contribuído para EUA liderarem casos de COVID-19 no mundo
    Estará Trump recuando na guerra comercial com a China?
    EUA planejam bloquear venda de motores de jatos para a China, diz jornal
    Tags:
    China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar