04:02 30 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)
    0 22
    Nos siga no

    Candidatos que se já infectaram e que queiram se alistar no Exército norte-americano têm de obter permissão especial, segundo o memorando, e a partir daí o candidato tem de esperar semanas.

    Qualquer candidato que tenha sobrevivido à COVID-19 será impedido de se alistar no Exército norte-americano, a menos que obtenha uma permissão do ramo no qual gostaria de se alistar, de acordo com um memorando publicado pelo Pentágono no Twitter.

    "Durante o processo de triagem, um histórico de COVID-19 confirmado será 'considerado desqualificante'".

    A revista Military Times disse ter recebido a confirmação da autenticidade do memorando de Jessica Maxwell, porta-voz do Pentágono. O documento também inclui orientações sobre como lidar com casos potenciais e confirmados de COVID-19, começando com uma triagem inicial em 65 centros de recrutamento (MEPS, na sigla em inglês, órgãos que que selecionam e encaminham os candidatos às Forças Armadas).

    "Durante a entrevista ou o exame sobre os antecedentes médicos, um histórico de COVID-19, confirmado por um teste laboratorial ou diagnóstico clínico, desqualifica permanentemente [...]", lê-se no memorando do Comando dos centros de recrutamento das Forças Armadas dos EUA (MEPCOM, na sigla em inglês).

    Se um candidato falhar na triagem, ele não será testado e poderá regressar nos 14 dias seguintes se estiver livre de sintomas e não tiver diagnóstico clínico. De acordo com a diretriz, qualquer pessoa que tenha sido diagnosticada com COVID-19 terá que esperar 28 dias após receber a confirmação para comunicar ao MEPS.

    Após ser comunicado, o diagnóstico seria "permanentemente desqualificante", a menos que o candidato receba uma permissão, embora não esteja claro como esta pode ser obtida.

    Os militares norte-americanos não divulgam dados sobre o número de casos confirmados de coronavírus entre militares por questões de segurança, mas os relatos alegam que há mais de 4.000 tropas dos EUA com testes positivos para a COVID-19, enquanto a Marinha do país registrou 1.688 casos confirmados e oito mortes.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)

    Mais:

    Surto de coronavírus a bordo de porta-aviões dos EUA revela anomalia curiosa
    Coronavírus: EUA declaram emergência em base militar na África
    Exército dos EUA entra em Nova York para conter coronavírus (FOTOS)
    Tags:
    Pentágono, USS Theodore Roosevelt, COVID-19, Military Times, Forças Armadas dos EUA, Forças Armadas, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar