06:04 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    4527
    Nos siga no

    A administração Trump está elaborando acordos internacionais específicos para a mineração do satélite do planeta Terra.

    Os acordos internacionais, chamados Artemis, serão apoiados pelos Estados Unidos, afirmaram à agência Reuters pessoas familiarizadas com o pacto proposto.

    Os acordos serão o último esforço para cultivar aliados em torno do plano da NASA de levar humanos e estações espaciais à Lua na próxima década, e ocorrem enquanto a agência espacial civil representa um papel cada vez mais importante na implementação da política externa dos EUA. A proposta ainda não foi formalmente compartilhada com os aliados dos norte-americanos.

    A administração Trump e outros países encaram a Lua como ativo estratégico no espaço. O satélite da Terra também possui valor para pesquisas científicas a longo prazo que poderiam possibilitar futuras missões para Marte – atividades que estão abrangidas por um regime internacional que é considerado ultrapassado.

    Os acordos Artemis propõem "zonas seguras" que estariam em volta de futuras bases lunares para prevenir danos ou interferências de países ou companhias rivais operando nas proximidades.

    O pacto também busca estabelecer um marco sob a lei internacional para que as companhias sejam proprietárias dos recursos que mineram, revelam fontes.

    Nas próximas semanas, autoridades dos EUA planejam negociar acordos com parceiros espaciais como o Canadá, Japão e países europeus, além dos Emirados Árabes Unidos, abrindo negociações com países que o governo norte-americano considera terem interesses "semelhantes" na exploração lunar.

    A Rússia, um dos maiores parceiros da NASA na Estação Espacial Internacional, não será um dos parceiros iniciais nestes acordos, comentam fontes, uma vez que o Pentágono cada vez mais enxerga Moscou como hostil.

    Artemis como 'poder nacional'

    Conforme os países passam a considerar o espaço como um novo domínio militar, os acordos liderados pelos Estados Unidos também serão emblemáticos para o fortalecimento da NASA, o que deve gerar inquietude em rivais como a China.

    Funcionários diante do foguete SLS (Sistema de Lançamento Espacial) da NASA
    © AP Photo / Gerald Herbert
    Funcionários diante do foguete SLS (Sistema de Lançamento Espacial) da NASA

    "A NASA se foca na ciência, tecnologia e descoberta, que são criticamente importantes, mas eu penso que é menos evidente a ideia de que a NASA é uma ferramenta de diplomacia", disse Jim Bridenstine, administrador da NASA, à agência Reuters.

    "O importante é que países de todo o mundo querem fazer parte disto. Este é o elemento do poder nacional", afirmou Bridenstine, acrescentando que a participação no programa Artemis depende de países aderirem a "normas de comportamento que esperamos ver" no espaço

    A NASA está investindo dezenas de bilhões de dólares no programa Artemis, que buscará levar humanos à Lua em 2024 e construir uma "presença sustentável" no polo sul da Lua, com companhias privadas minerando as rochas da Lua e coletando a água abaixo da superfície, que pode ser convertida em combustível de foguete.

    Os Estados Unidos adotaram uma lei em 2015 garantido a companhias os direitos de propriedade dos recursos minerados no espaço, mas estas leis não existem na comunidade internacional.

    Mais:

    Rochas indicam que Lua não 'está morta' e poderia conservar atividade tectônica
    FOTO incrível revela detalhes das crateras da Lua
    Cientistas apresentam 1º mapa geológico unificado da Lua (FOTO, VÍDEO)
    Tags:
    exploração espacial, NASA, Rússia, EUA, espaço, Lua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar