10:14 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)
    19430
    Nos siga no

    A pandemia do novo coronavírus fez os EUA parecerem um país em desenvolvimento, já que milhões ficaram sem garantias de segurança social em meio a calamidades econômicas, disse o economista Joseph Stiglitz, vencedor do Prêmio Nobel, ao jornal The Guardian.

    "Os números voltados para os bancos de alimentos são enormes e estão além da capacidade deles de suprir. É como um país do terceiro mundo. A rede pública de segurança social não está funcionando", declarou Stiglitz na entrevista publicada nesta quarta-feira (22).

    Um crítico de longa data do presidente dos EUA, Donald Trump, Stiglitz avaliou que as políticas republicanas podem levar os EUA rumo a uma outra Grande Depressão, referindo-se ao período posterior à quebra da Bolsa de Nova York, em 1929.

    "Se você deixar Donald Trump e Mitch McConnell [líder da maioria republicana no Senado], teremos uma Grande Depressão. Se tivéssemos a estrutura política correta, poderíamos evitá-la facilmente", comentou Stiglitz ao jornal britânico.

    Paciente sendo retirado de ambulância durante a pandemia da COVID-19 em Nova York, EUA, 13 de abril de 2020
    © AP Photo / John Minchillo
    Paciente sendo retirado de ambulância durante a pandemia da COVID-19 em Nova York, EUA, 13 de abril de 2020

    Segundo as estimativas de Stiglitz, 14% da população dos EUA, quase 46 milhões, dependem de vale-refeição para sobreviver, enquanto a possível taxa de desemprego de 30% levará a economia a ficar de joelhos.

    O ganhador do Prêmio Nobel continuou enfatizando a importância do multilateralismo necessário para derrotar a pandemia.

    "O combate às pandemias globais e às mudanças climáticas exige cooperação global. Espero que deixemos esse período com a perspectiva de que o multilateralismo seja ainda mais importante do que pensávamos. Não pode ser apenas uma globalização orientada para as empresas. Temos que torná-lo mais resiliente", enfatizou Stiglitz.

    Nesta quarta-feira, as estatísticas da COVID-19 dos EUA se elevavam acima do resto do mundo, com mais de 45 mil pessoas mortas em mais de 826 mil casos confirmados.

    Tema:
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)

    Mais:

    Imunologista prevê possível futuro do coronavírus com cura da COVID-19
    Dióxido de nitrogênio estaria ligado a maior mortalidade por COVID-19, descobre cientista
    Alemanha aprova 1º teste clínico em humanos de vacina contra COVID-19
    Tags:
    pandemia, saúde, economia, Grande Depressão, OMS, novo coronavírus, COVID-19, Mitch McConnell, Donald Trump, Joseph Stiglitz, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar