00:34 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)
    486
    Nos siga no

    A chanceler boliviana está tentando fazer chegar à administração argentina seu desagrado sobre as críticas do ex-presidente da Bolívia, que foi forçado a se demitir do posto no final de 2019.

    A ministra das Relações Exteriores da Bolívia, Karen Longaric, enviou uma nota de protesto ao seu homólogo argentino, Felipe Solá, pelas persistentes declarações do ex-presidente boliviano Evo Morales, refugiado em Buenos Aires, sobre a situação política interna e o gerenciamento da pandemia da COVID-19 pelo governo de Jeanine Áñez.

    "Hoje foi enviada uma nota ao governo argentino, à chancelaria argentina, fazendo uma representação muito clara, categórica, mas também muito respeitosa, da surpresa que o governo da Bolívia tem" diante das declarações de Morales, disse Longaric em coletiva de imprensa, relata o portal Infobae.

    A ministra das Relações Exteriores fez o anúncio em resposta a uma consulta sobre as declarações diárias de Morales, que critica algumas das decisões do governo de Áñez ou faz sugestões sobre como lidar com a pandemia.

    Longaric disse que Morales havia se expressado "sobre questões de natureza política e também sobre questões que comprometem a segurança do país".

    A chanceler disse que o governo boliviano não tem informações oficiais sobre a situação legal de Morales na Argentina, ou seja, se ele é requerente de asilo ou refugiado.

    Em um protesto anterior ao governo argentino, o Ministério das Relações Exteriores da Bolívia havia declarado que as afirmações do líder indígena sobre política interna violariam as normas internacionais em matéria de refúgio e asilo.

    Morales sobre o novo governo da Bolívia

    Morales, que no fim de 2019 foi forçado a deixar o poder, em uma série de eventos caracterizada por muitos como golpe de Estado e que levou ao poder a atual presidente interina Jeanine Áñez em novembro passado, criticou nos últimos dias o tratamento dado pelo governo boliviano aos seus nacionais no exterior.

    O ex-presidente do país denunciou especialmente a recusa de La Paz em facilitar a entrada por terra de bolivianos que pretendem voltar do Chile em resultado da epidemia do novo coronavírus.

    Morales tem sugerido diversas medidas, incluindo a venda de aviões e helicópteros e a transformação da Casa Grande del Pueblo, a sede presidencial, em um centro de isolamento de pacientes da COVID-19.

    Na segunda-feira (13), Morales anunciou que havia decidido doar a pensão vitalícia de seu antigo mandato para fornecer alimentos às famílias pobres afetadas pela quarentena pandêmica.

    Longaric minimizou a importância das sugestões de Evo Morales.

    Tema:
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)

    Mais:

    Bolívia anuncia militarização de 2ª maior cidade do país em meio à COVID-19
    Bolívia ameaça prender por até 10 anos quem descumprir quarentena contra coronavírus
    Novo coronavírus faz Bolívia suspender eleições por tempo indeterminado
    Tags:
    COVID-19, Ministério das Relações Exteriores, Evo Morales, Argentina, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar