18:11 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1141
    Nos siga no

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e seu colega russo Vladimir Putin discutiram nesta segunda-feira (13) vários temas em uma conversa por telefone, incluindo o controle de armas, revelou o líder estadunidense.

    "Conversamos sobre armas. Sim, conversamos. Na verdade, essa foi uma parte muito importante da conversa", contou Trump em entrevista coletiva.

    Em 12 de abril, os líderes e o rei da Arábia Saudita, Salman Bin Abdulaziz, mantiveram uma conversa por telefone depois que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus parceiros independentes chegaram a um novo acordo para o corte de petróleo.

    Putin e Trump também falaram separadamente e discutiram a situação no mercado de petróleo e questões de segurança estratégica, informou o Kremlin. Em particular, os líderes falaram sobre China e México, disse o presidente dos EUA na conferência de imprensa.

    "Eu diria que falamos principalmente sobre a China, sobre suas fronteiras. Falamos um pouco sobre nossas fronteiras, sobre a fronteira com o México porque o México desempenha um papel importante no acordo da OPEP +", prosseguiu Trump.

    Ele ressaltou que para o México "não foi fácil" chegar ao novo acordo.

    "Discutimos muitas coisas, mas especialmente o petróleo, como vocês podem imaginar", acrescentou o presidente.

    Rússia dá outra versão para conversa

    Nesta segunda-feira (13), o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres que os dois presidentes não falaram sobre o Tratado de Redução Estratégica de Armas (START).

    Peskov também alertou que a intensificação dos contatos entre os dois presidentes nos últimos tempos não significa automaticamente uma melhoria nas relações bilaterais.

    OPEP quer reduzir produção de petróleo
    Ryad Karamdi/AFP
    OPEP quer reduzir produção de petróleo

    Após vários dias de árduas negociações, a OPEP e 10 produtores independentes (Azerbaijão, Bahrein, Brunei, Cazaquistão, Malásia, México, Omã, Rússia, Sudão e Sudão do Sul) aprovaram em 12 de abril, em uma reunião telemática, um plano para cortes de óleo.

    O plano prevê ajustes de baixa que consistem em três etapas: 9,7 milhões de barris por dia (mb/d) entre 1º de maio e 30 de junho; a 7,7 mb/d entre 1º de julho e 31 de dezembro deste ano; e a 5,8 mb/d no período de 1º de janeiro de 2021 a 30 de abril de 2022.

    Os membros da OPEP + farão esses cortes em comparação com a produção de outubro de 2018, com exceção da Arábia Saudita e da Rússia, que usarão o nível de 11,0 mb/d como referência.

    Inicialmente, o contrato será válido até 30 de abril de 2022, mas a aliança pretende revisar a extensão em dezembro de 2021.

    Em 6 de março, a OPEP e 10 produtores independentes encerraram seu acordo anterior sobre cortes de petróleo em vigor até 31 de março, ao não concordar com uma extensão da iniciativa que estava em vigor desde o início de 2017.

    O colapso do pacto de petróleo, juntamente com a pandemia do novo coronavírus, diminuiu o preço do petróleo para valores mínimos que não são vistos desde o início dos anos 2000.

    Mais:

    Redução militar dos EUA na África para confrontar Rússia e China 'preocupa' aliados de Trump
    Controle de armas: Trump cogita cúpula com líderes de Rússia, China, Reino Unido e França
    Trump diz que Rússia enviou suprimentos médicos de 'alta qualidade' aos EUA
    Tags:
    Dmitry Peskov, México, China, armas, petróleo, Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), relações bilaterais, defesa, segurança, diplomacia, Tratado de Redução de Armas Estratégicas dos EUA e da Rússia, Tratado Start, START III, Start, Vladimir Putin, Donald Trump, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar