23:43 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7185
    Nos siga no

    Nicolás Maduro enviou uma carta ao povo dos Estados Unidos expressando uma mensagem de solidariedade e paz, e pedindo fim das ameaças militares e das sanções contra Venezuela.

    No documento, o chefe de Estado venezuelano exprime solidariedade perante "o importante desafio histórico", que assola o mundo nos últimos meses, se referindo à pandemia do novo coronavírus.

    Em meio à nossa luta sem trégua contra a COVID-19, envio uma carta ao povo dos EUA, com uma mensagem de solidariedade e um apelo à paz. Nenhuma agressão da supremacia pode romper nossos laços de fraternidade.

    Além disso, Nicolás Maduro criticou o envio de militares norte-americanos à região por poder levar "a um conflito bélico custoso, sangrento e de duração indefinida".

    Na carta, o presidente da Venezuela reiterou querer reconciliação com os norte-americanos, de quem espera que acabem com a "loucura" do governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Além do mais, Maduro pediu para os norte-americanos responsabilizarem seus governantes e forçá-los a concentrar atenção e recursos na luta contra a pandemia da COVID-19.

    "Faço um apelo ao povo dos Estados Unidos [...] Peço a cessação das ameaças militares, o fim das sanções [...] Peço com o coração aberto para que não permitam que o seu país seja arrastado mais uma vez, a outro conflito interminável, outro Vietnã ou outro Iraque, mas desta vez mais perto de casa", escreveu o presidente em uma carta.

    Maduro acrescentou ainda que quer "relações fraternais, de cooperação, de intercâmbio e de respeito", salientando, ao mesmo tempo, que não vai aceitar "ameaças bélicas, nem bloqueios e nem intenções de instalar uma tutela internacional que viole a soberania".

    Anteriormente, o presidente venezuelano anunciou no âmbito da operação militar Escudo Bolivariano 2020 mobilização da artilharia bolivariana, sem dar muitos detalhes das manobras.

    A carta divulgada por Nicolás Maduro foi publicada depois do envio de Washington de navios de guerra da Marinha dos EUA para combater narcotráfico no Caribe.

    Mais:

    EUA vão enviar navios da Marinha para perto da Venezuela, diz Trump
    'Pretexto oportunista': chanceler cubano condena operação militar dos EUA perto da Venezuela
    Caracas: EUA usam Venezuela para desviar atenção da COVID-19 em seu país
    Tags:
    sanções econômicas, navios de guerra, Donald Trump, Nicolás Maduro, América Latina, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar