01:49 30 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus se espalha pelo mundo (101)
    19353
    Nos siga no

    O país caribenho censurou a administração norte-americana por sua campanha contra médicos cubanos, que estão em muitos países afetados pela COVID-19, bem como seus contínuos ataques ao governo venezuelano.

    Na quarta-feira (25), o Departamento de Estado dos EUA publicou no Twitter uma mensagem criticando o relacionamento dos médicos de Cuba com seu governo.

    O governo de Cuba mantém a maior parte do salário que seus médicos e enfermeiros ganham enquanto servem em suas missões médicas internacionais, ao mesmo tempo que os expõe a condições de trabalho egrégias. Os países anfitriões que procuram a ajuda de Cuba para COVID-19 devem examinar os acordos e acabar com os abusos trabalhistas.

    A mensagem refere-se às missões médicas cubanas na Bolívia, Brasil e Equador, que foram suspensas sob pressão de Washington, de acordo com as autoridades do país do Caribe.

    O presidente Miguel Díaz-Canel chamou a campanha lançada pelo governo norte-americano para desacreditar a cooperação médica cubana em todo o mundo de "mentiras e insultos" e destacou a declaração feita pelo Ministério das Relações Exteriores do país sobre o assunto, em resposta às recentes declarações "particularmente ofensivas" do Departamento de Estado estadunidense.

    "Chega de mentiras e insultos, a cooperação médica cubana tem uma elevada moral, que é suficiente para esmagar os insultos do império vulgar, cruel, assassino e prepotente."

    Por sua vez, a declaração do Ministério das Relações Exteriores cubano afirma que "a campanha de descrédito do governo dos Estados Unidos é imoral em qualquer circunstância".

    "É particularmente ofensiva para Cuba e para o resto do mundo, em momentos de uma pandemia que nos ameaça a todos, e quando todos deveríamos estar nos esforçando para promover a solidariedade e a ajuda aos necessitados", acrescenta o documento divulgado por Juan Antonio Fernández, subdiretor da Direção Geral de Imprensa, Comunicação e Imagem do Ministério das Relações Exteriores de Cuba.

    A nota recorda que a comunidade internacional exige a partir da ONU unidade e cooperação, o fim das guerras e conflitos, a cessação e suspensão dos bloqueios e das medidas coercivas unilaterais.

    "Deixemos de lado a mesquinhez e a hostilidade. A saúde é um direito humano. Isso é o que Cuba entende e faz", enfatiza a declaração da chancelaria.

    Segundo os dados fornecidos pelo Ministério da Saúde Pública, dos 59 países onde existem brigadas médicas cubanas, o novo coronavírus tem presença registrada em 37 deles.

    Brigadas médicas cubanas no Caribe

    Três brigadas médicas cubanas partiram na quinta-feira (26) para as ilhas caribenhas de São Vicente e Granadinas, Dominica e Antígua e Barbuda para ajudar a lidar com a nova pandemia do coronavírus, que causa a doença COVID-19.

    Os profissionais de saúde que estão partindo para estas três nações caribenhas receberam uma preparação abrangente para lidar com a pandemia, à que se soma a experiência de vários membros na participação de missões humanitárias de saúde anteriores, incluindo a luta contra o ebola na África, disse a doutora Danixia Novoa, chefe das brigadas, ao serviço de notícias da televisão cubana.

    Um contingente de emergência de médicos e enfermeiros cubanos chega ao aeroporto italiano de Malpensa, perto de Milão, após viajar de Cuba para ajudar a Itália a combater a propagação da doença COVID-19
    © REUTERS / Daniele Mascolo
    Um contingente de emergência de médicos e enfermeiros cubanos chega ao aeroporto italiano de Malpensa, perto de Milão, após viajar de Cuba para ajudar a Itália a combater a propagação da doença COVID-19

    Os médicos e enfermeiros cubanos que vão às Caraíbas para ajudar a combater o novo coronavírus SARS-CoV-2 fazem parte do Contingente Internacional de Médicos Especializados em Situações de Desastre e Epidemias Graves "Henry Reeve".

    Desde há vários dias, brigadas médicas da ilha que fazem parte do Contingente "Henry Reeve" têm viajado para a China, Venezuela, Nicarágua, Suriname, Jamaica, Granada e Itália para enfrentar a nova pandemia do coronavírus SARS-CoV-2.

    Estas brigadas são constituídas por especialistas em clínica geral integrada, médicos clínicos, intensivistas, virologistas e epidemiologistas, muitos dos quais têm experiência no tratamento de doenças transmissíveis, e incluem alguns que participaram da luta contra a epidemia de ebola na África.

    Conflito EUA–Venezuela

    Na quinta-feira (26), o Departamento de Justiça dos Estados Unidos acusou Maduro e altos funcionários do seu governo de estarem envolvidos em um esquema de tráfico de droga.

    "O Departamento de Justiça está anunciando a apresentação de uma acusação no Distrito Sul de Nova York contra quatro suspeitos, incluindo Nicolás Maduro, bem como o atual presidente da Assembleia Constituinte [da Venezuela, Diosdado Cabello], o ex-diretor da inteligência militar e um ex-general de alto escalão por seu envolvimento em narcoterrorismo", disse o procurador-geral estadunidense William Barr.

    O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, rejeitou as acusações de narcotráfico feitas pelo Departamento de Justiça dos EUA contra o chefe de Estado venezuelano.

    "Condeno a imoral acusação dos EUA contra o presidente Nicolás Maduro e a Venezuela por narcoterrorismo. É baseada em mentiras sem vergonha. Mesmo na época da COVID-19, o governo dos EUA mostra que é a principal ameaça à paz e tranquilidade da nossa América".

    Rodríguez, entretanto, disse que a acusação se baseia em "mentiras sem vergonha" e assegurou que mesmo em meio à pandemia mundial do novo coronavírus, que causa a COVID-19, os Estados Unidos continuam sendo o maior perigo para a região.

    "Mesmo em tempos de COVID-19, o governo norte-americano mostra que constitui a principal ameaça à paz e tranquilidade da nossa América", disse o ministro das Relações Exteriores cubano.

    O sistema de Justiça dos EUA está oferecendo US$ 15 milhões (R$ 75,9 milhões) em troca da captura do presidente venezuelano.

    O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, garantiu que seu governo enfrentará "as mentiras" vindas de Washington.

    Tema:
    Coronavírus se espalha pelo mundo (101)

    Mais:

    EUA acusam Maduro por 'narcoterrorismo' e oferecem recompensa de US$ 15 milhões
    'Cuba é um gigante da medicina', diz especialista sobre chegada de médicos cubanos à Itália
    Pompeo mente sobre quebra das relações venezuelano-cubanas, diz Maduro
    Ameaças dos EUA são parte da sua política de intervenção contra Cuba, diz Díaz-Canel
    Tags:
    Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Ministério das Relações Exteriores, Venezuela, EUA, Cuba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar