08:28 25 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2171
    Nos siga no

    O dólar norte-americano, o euro europeu e o bolívar venezuelano são moedas que podem ser usadas nas transações na economia do país sul-americano que está passando por tempos difíceis devido à hiperinflação recorde.

    Mesmo com o uso de várias moedas estrangeiras em território venezuelano, Nicolás Maduro não está preparado para desistir da moeda nacional. De acordo com a revista Bloomberg, o governo de Maduro buscou a gráfica estatal da Rússia, Goznak, com pedido de impressão de 300 milhões de cédulas de bolívares.

    A gráfica russa seria encarregada de produzir cédulas venezuelanas que variam desde as notas de 10.000 bolívares (R$ 0,61) até 50.000 bolívares (R$ 2,95), de acordo com cópia do contrato assinado entre a empresa estatal russa e o Banco Central da Venezuela em novembro do ano passado, escreve Bloomberg.

    No total, o dinheiro valerá US$ 143 milhões (R$ 620 milhões) uma quantia bastante pequena no que diz respeito à nova compra. No entanto, o valor equivale a aproximadamente um quinto de todo o dinheiro que circula na Venezuela, em consequência dos anos de hiperinflação e sanções norte-americanas, que só desvalorizam a moeda venezuelana e empobrecem os venezuelanos.

    Anteriormente, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, explicou que as sanções impostas por vários países, coordenados por Washington, mudaram a economia do país, transformando-a em uma economia de resistência onde coexistem várias moedas ao mesmo tempo com a nacional – o bolívar.

    "Estamos em economia de resistência e estamos convivendo com três espaços monetários: o bolívar, moeda nacional que sempre vai existir; o euro e o dólar, se movimentando na economia de resistência e ajudando que alguns respirem; e o petro, que vem entrando progressivamente", disse o chefe de Estado venezuelano.

    Os esforços dos EUA para derrubar o governo Maduro tornaram-se conhecidos a partir do ano passado, quando Washington reconheceu Guaidó como presidente interino da Venezuela e impôs sanções ao país. Autoridades norte-americanas declararam que as sanções visam agravar a crise econômica da Venezuela.

    Mais:

    China ignora EUA e segue cooperando com Venezuela
    TAP diz à Sputnik que realoca passageiros de Lisboa para Caracas após restrições na Venezuela
    Tags:
    EUA, sanções econômicas, Nicolas Maduro, Venezuela, bolívares, Dólar, divisas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar