22:20 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    862
    Nos siga no

    O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, confirmou sua intenção de se candidatar a senador nas eleições de 3 de maio, e disse que o "perdido com o golpe" seria recuperado na "democracia". 

    "O que perdemos com o golpe vamos recuperar em 3 de maio na democracia. Nos fizeram chorar não apenas pelos mortos, mas porque perdemos o processo de mudança, porém por meio de tiros, com gás e com armas. Nós não devemos nos vingar, mas vamos recuperar com consciência o voto do povo boliviano, nosso processo e a democracia", afirmou em entrevista publicada no jornal chileno La Tercera. 

    Morales, que foi forçado a renunciar no ano passado devido à pressão dos militares e aos protestos na Bolívia após ele ser reeleito, confirmou que pretende se candidatar ao cargo de senador e retornar ao seu país, onde foi acusado de terrorismo e sedição. 

    'Era fatal', diz sobre candidatura ao Senado

    "Depois de ver a ditadura, o golpe e tudo o que está passando na Bolívia, era fatal", lamentou. 

    O ex-presidente afirmou ainda que as acusações contra ele, surgidas após a divulgação de uma gravação na qual supostamente conclama apoiadores a cortar o abastecimento de alimentos para cidades, são "totalmente ilegais". 

    Após deixar o poder, Morales viajou para o México, mas depois se estabeleceu na Argentina. 

    O governo interino, que promoveu uma mudança de rumo na política e diplomacia boliviana, marcou eleições para 3 de maio, nas quais Morales está proibido de concorrer à presidência. 

    "Estou convencido de que o povo chora para que eu retorne", disse Morales, acrescentando que ele e seus apoiadores estão "avaliando" essa possibilidade. 

    Assistente legal de Morales é presa na Bolívia

    A situação do líder indígena na Bolívia, no entanto, é complicada. Neste domingo (2), um juiz ordenou a prisão preventiva por seis meses da representante legal de Morales no país, Patricia Hermosa, que está defendendo seu direito de concorrer nas eleições parlamentares. 

    Ex-chefe de gabinete do governo Morales, Hermosa foi presa na sexta-feira (31) acusada de sedição, terrorismo e financiamento do terrorismo. 

    Além disso, Luis Arce, candidato presidencial do Movimento para o Socialismo (MAS), partido de Morales, foi acusado nesta quinta-feira (30) por corrupção durante o período em que foi ministro.

    Mais:

    Governo interino da Bolívia convoca eleições para o dia 3 de maio
    Bolívia coloca militares nas ruas para evitar motim no Dia do Estado Plurinacional
    Evo Morales promete criar 'milícias armadas' se voltar para Bolívia, segundo Reuters
    Busto de Morales é destruído a marteladas por ministro interino do Esporte da Bolívia (VÍDEO)
    Tags:
    governo, democracia, golpe de Estado, Senado, senador, eleições, justiça, Evo Morales, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar