13:12 21 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    360
    Nos siga no

    Os atrasos no desenvolvimento e lançamento do avião de reabastecimento aéreo KC-46 da Força Aérea norte-americana estariam agravando o déficit de reabastecimento aéreo, afirmou o Comando de Transporte dos EUA.

    Além disso, a situação pode piorar ainda mais, já que o plano de renovação previa a aposentadoria das antigas aeronaves, segundo o portal Defense News.

    "A Força Aérea havia planejado aposentar alguns dos KC-135 e KC-10, se não tomarmos cuidado, veremos uma queda nas missões da força conjunta", afirmou Stephen Lyons, general do Exército norte-americano.

    Atualmente, a Força Aérea dos EUA está aceitando as entregas das aeronaves KC-46, entretanto, deixou claro que não serão utilizadas até que o sistema de visão remota (uma câmera que ajuda a tripulação do Pegasus a guiar o boomer de reabastecimento do avião na direção da aeronave receptora) seja corrigido de acordo com as especificações, o que pode levar até três anos.

    A Força Aérea dos EUA prevê que sejam necessários mais 14 esquadrões desta aeronave até 2030. O atraso fez com que o Departamento de Defesa dos EUA defendesse a manutenção dos antigos KC-135 em serviço.

    Entretanto, a Força Aérea estaria sendo pressionada para reduzir os gastos com antigas aeronaves para cobrir as despesas com os futuros projetos.

    Em uma situação de "saia justa", a Força Aérea estaria considerando contratar serviços de reabastecimento aéreo por empresas privadas.

    "Estamos analisando, mas até o momento não vi o plano de negócio [...] Vocês certamente não gostariam de empregar a capacidade em um ambiente disputado ou de combate", concluiu.

    Mais:

    VÍDEO mostra interior do 'avião do Juízo Final' dos Estados Unidos
    Alemanha descarta compra de drones norte-americanos Triton
    Pentágono identifica corpos de 2 tripulantes do avião militar dos EUA abatido no Afeganistão
    Tags:
    reabastecimento, problemas, Força Aérea, avião, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar