00:47 28 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    880
    Nos siga no

    Senadores colombianos solicitaram proteção de comissão internacional de direitos humanos após denúncias de que teriam sido espionados pelo Exército do seu país. Juízes federais e jornalistas também teriam tido suas conversas interceptadas.

    O senador colombiano Antonio Sanguino faz uso de reforçado esquema de segurança para se deslocar pela capital, Bogotá, e participar de eventos políticos: carros blindados e três guarda- costas são algumas das precauções tomadas pelo parlamentar.

    Mas os guarda-costas não podem neutralizar a nova ameaça: os serviços de inteligência colombianos estariam monitorando suas chamadas telefônicas, revisando seu correio eletrônico e rastreando suas comunicações por WhatsApp desde o ano passado, reportou a AP.

    "Eu sempre enfrentei dificuldades em relação à segurança. Mas a interceptação das minhas comunicações é uma novidade para mim", disse Sanguino.

    Nesta sexta-feira (17), um grupo de parlamentares colombianos de oposição entrou com processo na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), apresentando provas de um suposto esquema de espionagem ilegal.

    Militares colombianos durante cerimônia de posse do ministro da Defesa, Calros Holmes Trujillo, em 16 de novembro de 2019
    © AP Photo / Fernando Vergara
    Militares colombianos durante cerimônia de posse do ministro da Defesa, Calros Holmes Trujillo, em 16 de novembro de 2019

    De acordo com os senadores, alguns membros do Exército teriam colaborado com o partido do presidente colombiano, Iván Duque, para monitorar diversos alvos. A divulgação dos detalhes desencadeou o maior escândalo de espionagem da década na Colômbia.

    "Queremos pressionar o governo para que as investigações sejam levadas adiante com todo o rigor. Acredito que o importante não é saber quem está sendo monitorado, mas sim quem ordena as interceptações", declarou Sanguino.

    O apelo à CIDH feito por Sanguino junto com os senadores Iván Cepeda e Roy Barreras ocorreu depois da publicação de uma matéria na revista colombiana Semana, que denunciou a espionagem de diversos membros da oposição, além de juízes e jornalistas, pelo Exército do país sul-americano no ano passado.

    Mais:

    Pentágono destinou US$ 21,5 bilhões para programa de espionagem militar em 2019
    Enganando inimigo: façanhas mais épicas da contraespionagem da URSS
    De gato-escuta a morcego-bomba: Top 5 de animais usados para guerra e espionagem
    Tags:
    escândalo, espionagem, Ivan Duque, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar