13:46 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    445
    Nos siga no

    Segundo as autoridades da autoproclamada presidente Jeanine Áñes, a medida será de nível nacional até o dia 24 de janeiro para garantir a "tranquilidade" da população.

    O atual governo do país decidiu colocar o Exército nas ruas, em trabalho conjunto com a Polícia, com o suposto objetivo de prevenir alterações da ordem pública e garantir a "tranquilidade" da população.

    O ministro da Defesa, Luis Fernando López, explicou que esta medida será de nível nacional e estará em vigor até o dia 24 de janeiro, conforme a emissora Bolivia TV. 

    "Este ato simboliza o verdadeiro compromisso que a Polícia nacional e as Forças Armadas possuem com o povo boliviano. Repito, isso é simplesmente para dar tranquilidade. Estamos nas ruas, estamos cuidando da população", afirmou López.

    López também pediu para que o povo não caia "na histeria coletiva", denunciando uma suposta "guerra psicológica e midiática" contra uma medida que, segundo ele, pretende apenas cuidar da população perante "ameaças permanentes".

    O Exército boliviano inicia o patrulhamento em apoio à segurança do cidadão, com o objetivo de contribuir para a paz e tranquilidade da população.

    Por sua vez, o comandante da Sétima Divisão, Hugo Arandia, assegurou que os soldados não estão armados com munições de guerra. "Todos os equipamentos são antimotim, caso haja uma alteração na ordem", adicionou.

    A operação ocorre durante o Dia do Estado Plurinacional, no dia 22 de janeiro, data que representa a consolidação do movimento político instaurado pelo presidente deposto, Evo Morales.

    ​O ministro da Defesa, Fernando López: Seguimos acreditando na paz e no diálogo.

    O Tribunal Constitucional Plurinacional aprovou um projeto de lei para prorrogar o mandato de Áñez, que também se aplica aos deputados e senadores da Assembleia Legislativa Plurinacional, assim como a outros membros do governo.

    Para o sociólogo Adolfo Mendoza Leigue, se trata de uma estratégia do governo para reprimir as manifestações pacíficas durante a celebração.

    Mais:

    Justiça eleitoral da Bolívia autoriza participação de partido de Evo nas eleições
    Governo interino da Bolívia convoca eleições para o dia 3 de maio
    Profecia de Fidel Castro sobre Bolívia estaria se concretizando?
    Tags:
    Evo Morales, polícia, motim, Exército, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar