14:14 18 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    691
    Nos siga no

    A nuvem de fumaça que atravessou todo o oceano Pacífico passou por Chile, Argentina e Uruguai, e o Rio Grande do Sul pode ser sua nova "vítima".

    A fumaça dos quase 200 incêndios que consomem a costa sudeste da Austrália foi detectada no Uruguai, após ter entrado no Chile e na Argentina durante o fim de semana, e deve ter Rio Grande do Sul como alvo, avisa o portal G1.

    A imagem (RGB Cor Real do GOES-16) mostra a fumaça (marrom claro) dos incêndios florestais australianos. A fumaça foi transportada pelo fluxo aéreo para o Chile e a Argentina.

    Segundo o Serviço Meteorológico Nacional da Argentina, a fumaça é transportada por sistemas frontais que se deslocam de oeste a leste, e a fumaça só causa um pôr do sol e um sol mais avermelhado.

    Filmagens tiradas em Santiago, Chile, na segunda-feira (6). A fumaça pode ser vista no sul e centro do Chile, a uma distância de 12.000 quilômetros. Segundo o Gabinete Meteorológico do Chile, a fumaça está localizada a uma altitude elevada, por isso os cidadãos não conseguem sentir cheiro de queimado.

    A fumaça dos incêndios da Austrália voltou a chegar à Argentina, sendo transportada pelos sistemas da frente deslocando-se de oeste para leste. Que consequência pode ter? Nenhuma muito relevante, apenas um pôr do sol e um sol ligeiramente mais avermelhado. Por quê? Abrimos uma sequência

    A fumaça dos incêndios australianos está prevista para chegar ao Rio Grande do Sul, no Brasil, na segunda-feira (6) ou terça-feira (7), e sua chegada pode ser acompanhada pelo site da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (Noaa, na sigla em inglês). Santa Catarina também pode ter a ocorrência de fumaça.

    O portal G1 alertou para o risco que a fumaça traz para a saúde das pessoas. "A combinação da umidade do ar baixa com a fumaça é muito prejudicial ao sistema respiratório."

    "Se houver chuva e pegar a fumaça, os particulados da fumaça chegam ao solo e podem trazer prejuízos para lavouras, pecuária, açudes e quaisquer outros reservatórios de água, além de provocar uma chuva mais ácida", alertou a meteorologista Somar.

    Os catastróficos incêndios florestais na Austrália, que começaram em outubro e já atingiram mais de 14 milhões de hectares, mataram pelo menos 19 pessoas e centenas de milhares de animais.

    Mais:

    Nova onda de ventos secos agravará incêndios florestais em 'toda a Califórnia'
    Tecnologia de combate a incêndios florestais faz Brasil sede de evento mundial, diz biólogo
    Píton é encontrada em árvore depois de incêndios florestais na Austrália (VÍDEO)
    Tags:
    incêndios florestais, incêndios, Austrália, Argentina, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar