12:36 08 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3102
    Nos siga no

    Durante inspeção de segurança do Boeing 737 MAX, foi detectada pela Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) uma nova irregularidade, que poderia estar relacionada com os acidentes de 2018 e 2019.

    De acordo com os dados preliminares, as aeronaves caíram devido à falha do sistema de estabilização de voo, conhecido como MCAS, fazendo com que a aeronave abaixasse sua altitude automaticamente.

    Entretanto, em uma nova inspeção, os engenheiros da empresa norte-americana detectaram algo preocupante: os cabos que comandam as superfícies de controle na cauda do avião.

    De acordo com o canal CNN, a informação foi concedida por um engenheiro sênior da empresa e outras três pessoas familiarizadas com o assunto.

    Atualmente, está sendo averiguado se essas duas seções de cabeamento estão muito próximas umas das outras e se causariam um curto-circuito, o que poderia provocar um acidente aéreo.

    Funcionário da Boeing observa modelo 737 MAX estacionado em fábrida da empresa em Seattle
    © AP Photo / Ted S. Warren
    Funcionário da Boeing observa modelo 737 MAX estacionado em fábrida da empresa em Seattle

    Um porta-voz da Boeing afirmou que ainda é cedo para "especular" se a nova falha ocasionará novas modificações na aeronave e, portanto, novos atrasos no retorno de sua operação.

    A nova certificação da aeronave estava prevista para 2019, entretanto, devido aos atrasos na inspeção dos Boeing 737 MAX, foi proposto que o retorno ocorresse até 2020. Isso fez com que a empresa norte-americana congelasse a fabricação das aeronaves.

    Mais:

    CEO da Boeing renuncia e empresa nomeia David Calhoun como sucessor
    Boeing anuncia que interromperá produção de 737 MAX em janeiro de 2020
    FOTO revela tamanho do desafio enfrentado pela Boeing
    Tags:
    aeronave, acidente aéreo, acidente, falha, avião, Boeing
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar