10:47 26 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    563752
    Nos siga no

    O presidente estadunidense Donald Trump disse nesta sexta-feira que o comandante militar iraniano Qassem Soleimani - que foi assassinado em um ataque americano perto do aeroporto internacional de Bagdá - deveria ter sido morto muito antes.

    Em seus primeiros comentários substanciais sobre a operação, realizada na sexta-feira no aeroporto internacional de Bagdá, Trump twittou que Soleimani "deveria ter sido removido há muitos anos!".

    "Embora o Irã nunca seja capaz de admiti-lo adequadamente, Soleimani era odiado e temido dentro do país. Eles não estão tão tristes quanto os líderes deixarão o mundo exterior acreditar. Ele deveria ter sido removido há muitos anos!", disse Trump via Twitter.

    Trump também culpou Soleimani pelo assassinato ou ferimento de "milhares de americanos" nas últimas décadas e acusou o general iraniano de "conspirar para matar muitos mais".

    Seus únicos comentários anteriores sobre as dramáticas notícias incluíram um tweet com uma foto de uma bandeira dos EUA e outro tweet enigmático, afirmando que "o Irã nunca venceu uma guerra, mas nunca perdeu uma negociação!", sem dar mais detalhes.

    A declaração de Trump veio quando milhares de iranianos saíram às ruas em todo o país nesta sexta-feira para lamentar a morte de Soleimani. Protestos foram mostrados nas mesquitas da televisão nacional e nas estações de metrô. Muitos carregavam cartazes que denunciavam os Estados Unidos e Israel.

    Comícios espontâneos foram realizados em Teerã e outras cidades. Os manifestantes ecoaram ameaças de vingança que o presidente iraniano Hassan Rouhani e o líder espiritual, aiatolá Ali Khamenei, haviam prometido em resposta ao que descreveram como um crime nos EUA.

    As tensões aumentam no Oriente Médio depois que Soleimani, comandante da Força Quds da elite da Guarda Revolucionária Islâmica Iraniana, foi morto em um ataque aéreo nos arredores de Bagdá, autorizado por Trump. A embaixada dos EUA em Bagdá na sexta-feira pediu aos cidadãos americanos que deixem o Iraque o mais rápido possível.

    O comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, general-major Qassem Soleimani, (no centro) na reunião com o líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, e comandantes em Teerã (foto de arquivo)
    © AP Photo / Escritório do líder supremo iraniano
    O comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, general-major Qassem Soleimani, (no centro) na reunião com o líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, e comandantes em Teerã (foto de arquivo)

    O ataque marca também uma grande escalada no conflito entre Washington e Teerã, já que o Irã prometeu "severa retaliação" pelo assassinato do líder militar sênior. As duas nações enfrentaram crises repetidas desde que Trump se retirou do acordo nuclear de 2015 e impôs sanções contra a República Islâmica.

    Em solo americano, Trump optou por não jogar uma partida de golfe nesta sexta-feira, e não era esperado que ele fosse visto publicamente até que ele viajasse para Miami para um evento da tarde para sua campanha de reeleição.

    Mais:

    Moscou adverte que assassinato de Soleimani aumentará tensões no Oriente Médio
    Irã conta quantas bases militares dos EUA estão 'na sua linha de tiro'
    Jair Bolsonaro mantém a cautela após morte de general iraniano em Bagdá
    Tags:
    Aiatolá Ali Khamenei, Hassan Rouhani, Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, relações bilaterais, bombardeio, ataque aéreo, Donald Trump, Qassem Soleimani, Bagdá, Iraque, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar