09:46 26 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    270
    Nos siga no

    O ataque a uma unidade militar no sul da Venezuela faz parte dos planos de desestabilização e da contínua agressão dos Estados Unidos contra o país caribenho, afirmou à Sputnik o deputado do Partido Socialista Unido, Saul Ortega.

    "Isso mostra que estamos na presença de uma agressão contínua do imperialismo americano, é uma ameaça à estabilidade de governos que não estão subordinados a ele, uma ameaça a tudo o que é soberania das nações", opinou Ortega.

    Em 23 de dezembro, o governo venezuelano disse que o ataque ao Batalhão Militar no estado de Bolívar, durante o qual eles roubaram nove lançadores de foguetes RPG, pretendia gerar uma ação de bandeira falsa para incentivar a intervenção militar dos Estados Unidos.

    Caracas acusou os governos da Colômbia, Brasil, Equador e Peru de facilitar o acesso aos seus territórios para a preparação e o trânsito de pessoas que executariam os ataques contra várias unidades militares no país.

    Nesse sentido, Ortega, presidente do Comitê de Assuntos Internacionais da Assembleia Nacional Constituinte (ANC), declarou que, com essas ações, o governo dos EUA busca colonizar os países latino-americanos.

    "É uma alegação de que o imperialismo dos EUA precisa colonizar esta parte do planeta. No caso da Venezuela, eles não foram capazes de atingir esse objetivo", explicou o parlamentar.

    O ataque

    Em 22 de dezembro, o ministro venezuelano da Defesa Vladimir Padrino López informou que um militar morreu durante o ataque armado ao Batalhão 513 Mariano Montilla, localizado no setor Luepa do município de Gran Sabana, no estado fronteiriço de Bolívar.

    Militares venezolanos perto do Palácio de Miraflores em Caracas (foto de arquivo)
    © Sputnik / Magda Gibelli
    Militares venezolanos perto do Palácio de Miraflores em Caracas (foto de arquivo)

    Ortega também indicou que "a conspiração americana pretende acabar com a ordem republicana do sistema político venezuelano".

    Os governos do Brasil, Equador, Peru e Colômbia rejeitaram e descreveram as acusações da Venezuela como infundadas.

    Enquanto isso, o presidente Nicolás Maduro garantiu que as armas roubadas das Forças Armadas de seu país estão no Brasil e exigiu que o governo de Jair Bolsonaro capturasse os agressores.

    Seis pessoas foram presas pelo ataque à unidade militar e o governo acusou três deputados da oposição de estarem envolvidos em um plano chamado "Natal Sangrento".

    Mais:

    Ministro da Venezuela acusa Brasil de envolvimento em ataque contra unidade militar
    Governo de fato da Bolívia se junta a Grupo de Lima para 'solucionar crise na Venezuela'
    Papa pede esperança para continente americano e Venezuela
    Tags:
    interferência estrangeira, colonialismo, imperialismo, ataque, diplomacia, crise na venezuela, Jair Bolsonaro, Nicolás Maduro, Colômbia, Peru, Brasil, América Latina, Estados Unidos, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar