05:21 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    12194
    Nos siga no

    A Venezuela afirma que o ataque contra um batalhão militar no estado de Bolívar buscava armas para fazer uma investida falsa contra a Colômbia e criar contexto para justificar uma intervenção militar dos EUA.

    "Essa era a intenção: roubar as armas para continuar atuando em todos os tipos de ações terroristas na Venezuela, mas também montar um falso positivo que serviria como causa de guerra para que os Estados Unidos pudessem intervir militarmente contra a Venezuela", afirmou o ministro da Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez, em coletiva de imprensa. 

    Ainda de acordo com Rodríguez, o governo de Iván Duque, presidente da Colômbia, recebeu instruções para gerar o falso ataque que serviria para justificar uma ação posterior de Washington. A ação seria realizada com lançadores de foguetes roubados dos militares venezuelanos. 

    "Desmantelamos o plano chamado Natal Sangrento, do grupo de direita de [Juan] Guaidó, no qual foi encontrada a participação dos governos da Colômbia, Peru e Brasil", disse o ministro.

    De acordo com a Folha de S. Paulo, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil afirma que não teve nenhuma participação no episódio. 

    Membros da Guarda Nacional Bolivariana da Venezuela se rebelaram e roubaram armas das forças de segurança da Venezuela, mas a maior parte dos armamentos foi recuperada e seis pessoas foram presas por envolvimento no ataque, de acordo com Caracas. 

    Mais:

    Maduro diz que 2019 foi o ano do fracasso do plano dos EUA na Venezuela
    Venezuela acusa oposição de planejar ataque terrorista contra militares (VÍDEO)
    Venezuela acusa União Europeia de interferência em sua política nacional
    Ministro da Venezuela acusa Brasil de envolvimento em ataque contra unidade militar
    Governo de fato da Bolívia se junta a Grupo de Lima para 'solucionar crise na Venezuela'
    Tags:
    Nicolás Maduro, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar