11:58 25 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    131
    Nos siga no

    O próximo governo do Uruguai, liderado por Luis Lacalle Pou, privilegiará os interesses dos empresários e do agronegócio em detrimento da grande maioria, afirmou neste sábado a governante Frente Ampla (centro esquerda).

    "Essa nova coalizão governista representa em nossa visão uma opção para o país dos privilégios para setores que pretendem recuperar a renda, completamente fora dos interesses da grande maioria dos trabalhadores, estudantes, aposentados e pensionistas", afirma o documento final do Plenário Nacional de líderes da Frente Ampla.

    Em 28 de novembro, foi confirmado que o líder da coalizão de oposição, Luis Lacalle Pou (Partido Nacional, de centro-direita), venceu o candidato oficial Daniel Martínez.

    Neste sábado, a Frente Ampla realizou uma reunião nacional, na qual todos os seus líderes e principais militantes se reuniram para fazer uma autocrítica ao resultado da eleição, que determinou que após 15 anos a força esquerdista terá que deixar o poder no próximo dia 1º de março

    No documento, aprovado no Plenário, afirma-se que o próximo governo está comprometido com um "Estado pequeno e ausente diante dos problemas das pessoas", que representa os setores do agronegócio, as "antigas receitas fundomonetaristas" e Câmaras de negócios.

    No futuro governo, há "uma acentuada desigualdade de gênero que ignora completamente a contribuição das mulheres e nega seu direito de fazer parte dos processos de decisão [...] as diferentes expressões conhecidas até agora reafirmam um pensamento conservador no social, que simplifica o flagelo da pobreza e se refere a visões meritocráticas sobre o progresso individual", acrescentou a Frente Ampla.

    O ex-candidato presidencial do partido Frente Ampla, Daniel Martínez, se encontra com o candidato vencedor do Uruguai do Partido Nacional Luis Lacalle Pou, em Montevidéu
    © REUTERS / Mariana Greif
    O ex-candidato presidencial do partido Frente Ampla, Daniel Martínez, se encontra com o candidato vencedor do Uruguai do Partido Nacional Luis Lacalle Pou, em Montevidéu

    A força política de esquerda afirmou que é necessário aceitar a derrota eleitoral, que marca "a necessidade de uma análise crítica profunda do que foi feito pelo governo".

    "Para isso, nos concentraremos nos próximos meses, sem descuidar a unidade da esquerda social e política, como uma contribuição indispensável para garantir e sustentar a continuidade das transformações que nossa realidade ainda exige", acrescentou.

    O documento sustenta que a Frente Ampla será uma "forte defensora" como oposição às conquistas alcançadas pelos governos de esquerda.

    A Frente Ampla chegou ao governo em 2005 e em suas três administrações consecutivas promoveu, graças às maiorias parlamentares, mudanças consideradas avançadas, como a aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo, a descriminalização do aborto, e a regulamentação do cultivo e o consumo de maconha.

    Além disso, a pobreza aumentou de 16% em 2006 para 2,1% em 2016 e os salários aumentaram cerca de 55,5% nos últimos quinze anos.

    No entanto, a partir de 1º de março, ela terá que ser um oponente e enfrentar uma coalizão governamental composta por cinco partidos, que vão do centro da direita à extrema-direita.

    Mais:

    Uruguai apresenta uma possível saída para a polarização presente na América Latina, diz analista
    Uruguai perde com fiasco econômico de Brasil e Argentina: 'Vizinhos estão doentes', diz Mujica
    Novo governo do Uruguai quer expandir cooperação com a Rússia
    Tags:
    direita, política, Frente Ampla, Luis Lacalle Pou, José Mujica, Montevidéu, América Latina, Uruguai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar