09:04 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    25504
    Nos siga no

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou classificar o extermínio em massa dos povos indígenas norte-americanos durante o período colonial como genocídio. 

    A medida seria uma retaliação ao fato do Senado dos Estados Unidos ter reconhecido por unanimidade, na quinta-feira (12) passada, o assassinato de 1,5 milhão de armênios pelo Império Otomano, em 1915, durante a Primeira Guerra Mundial, como genocídio.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, ainda precisa sancionar a lei. A decisão foi bastante criticada pelo governo turco. Na sexta-feira (13), a Turquia convocou o embaixador americano em Ancara. 

    'Momento vergonhoso da história dos EUA'

    "Devemos nos opor a vocês reciprocamente no parlamento em relação a tais decisões. E isso será o que vamos fazer. Podemos falar da América sem mencionar os indígenas? É um momento vergonhoso da história dos Estados Unidos", criticou Erdogan, segundo citado pela emissora A Haber News. 

    O Congresso americano reconhece 567 povos indígenas em 33 estados, entre eles 229 no Alasca. Os EUA negam que os nativos tenham sofrido genocídio, mesmo com casos controversos como o Massacre de Sand Creek e a Grande Caminhada Navajo. 

    Segundo o governo turco, o número de mortes de armênios é bem menor do que o reconhecido por parte da comunidade internacional. Além disso, afirma que turcos também foram vítimas e que os assassinatos ocorreram em função da Primeira Guerra Mundial.

    Mais:

    Com participação recorde de mulheres, Congresso dos EUA terá indígenas e muçulmanas
    Congresso dos EUA aprova sanções contra Turquia por S-400
    Turquia teria forçado navio israelense a sair das águas do Chipre, segundo mídia
    Primeiro-ministro da Armênia renuncia: novas eleições à vista
    Tags:
    indígenas, colonização, Primeira Guerra Mundial, guerra, Turquia, EUA, Recep Tayyip Erdogan, Armênia, Genocídio Armênio, genocídio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar