16:40 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    460
    Nos siga no

    O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, planeja anunciar na próxima semana a retirada de um total de 4 mil militares do Afeganistão.

    A retirada dos soldados foi confirmada por autoridades, segundo publicou a emissora NBC News, e vem logo após o reatamento das negociações entre Washington e Talibã.

    Após a possível retirada, entre 8 e 9 mil soldados dos EUA permaneceriam no Afeganistão. A volta dos soldados aos EUA deve ser feita de forma gradual e levar alguns meses para ser completada.

    No domingo passado, o Talibã anunciou que as negociações com os EUA foram retomadas em Doha após um hiato de três meses. Uma fonte próxima ao movimento islâmico disse à Sputnik que os dois lados haviam discutido em Doha os termos para estimular o início das negociações intra-afegãs.

    No entanto, na quinta-feira (12), o enviado especial dos EUA para o Afeganistão, Zalmay Khalilzad, anunciou uma "breve pausa" nas negociações de paz após um ataque à base aérea de Bagram que matou dois e feriu dezenas de civis. Khalizad disse que o Talibã deve demonstrar interesse em responder ao desejo afegão pela paz.

    Os EUA e o Talibã tentaram por quase um ano negociar um acordo de paz para garantir a retirada de tropas estrangeiras em troca da garantia do movimento de que o país não se tornaria um porto seguro para terroristas.

    Apesar da dimensão da negociação, o governo afegão não foi incluído nas tratativas, uma vez que o Talibã não queria negociar com Cabul. As conversas não avançaram e chegaram a ser canceladas. Recentemente, após viagem de Trump ao país, as negociações voltaram à mesa.

    Mais:

    EUA revelam principal tema da retomada da negociação com o Talibã
    Ataque suicida mata 2 e fere 60 perto de base dos EUA no Afeganistão
    FOTOS revelam destruição em base dos EUA após ataque do Talibã no Afeganistão
    Trump aparece de surpresa no Afeganistão e retoma negociação com Talibã
    Tags:
    Talibã, Afeganistão, EUA, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar