17:26 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3100
    Nos siga no

    O ex-presidente boliviano Evo Morales acusou os comandantes das Forças Armadas do seu país de condecorar golpistas que participaram da repressão e massacre de manifestantes.

    Apesar da mensagem, Morales reconhece que "felizmente não são todos os militares". Momentos antes, ele havia acusado o Governo da atual presidente Jeanine Ánez de preparar a privatização das empresas nacionais de importância estratégica, além de planejar a intervenção do Fundo Monetário Internacional (FMI).

    Alguns comandantes das FFAA que juraram a defesa da Pátria e da Constituição, hoje condecoram golpistas que massacraram pessoas humildes em Sacaba, Senkata e outros lugares da Bolívia, sob pretexto de recuperar a democracia.

    A Comissão Nacional de Refugiados da Argentina atualmente trabalha para conceder o status de refugiado para Evo Morales, bem como para a ex-ministra da Saúde Lilly Gabriela Montaño Vianã.

    O Ministério das Relações Exteriores confirmou que havia concedido asilo a cinco integrantes do Governo de Evo Morales.

    Entre eles estão Álvaro Garcia Linera, vice-presidente, Diego Pary Rodríguez, chanceler e o ex-embaixador da Bolívia na Organização dos Estados Americanos (OEA), José Alberto Gonzales.

    Mais:

    Evo Morales afirma que sobreviveu a tentativa de assassinato
    Evo Morales diz que mortes na Bolívia são 'parte de um genocídio' do governo interino
    Bolívia: Evo Morales não será candidato em novas eleições, diz aliado
    Tags:
    Bolívia, golpe de Estado, golpes militares, golpe, forças armadas, militares
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar