22:51 22 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    8231
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores da China comentou nesta sexta-feira (13) as declarações do Pentágono quanto ao recente teste de míssil balístico, que provaria que EUA costumavam violar o Tratado INF.

    "Desde 2 de agosto deste ano, quando os Estados Unidos anunciaram estar saindo do Tratado INF, o Pentágono já realizou dois testes de mísseis de baseamento terrestre. O chefe do Pentágono, [Mark] Esper, disse orgulhosamente que os EUA começaram a se preparar para estes testes em fevereiro deste ano", declarou a porta-voz da chancelaria chinesa, Hua Chunying, em um briefing.

    "Quero que prestem atenção que os Estados Unidos anunciaram oficialmente estar saindo do INF em 2 de agosto, mas o chefe do Pentágono disse que eles começaram a se preparar para estes testes em fevereiro. Trata-se de mais um fundamento de nossas estimativas prévias de que os EUA pensaram em sair do INF com muita antecedência", complementou a porta-voz.

    Hua acrescentou que a decisão de Washington de deixar o INF foi motivada apenas por seu desejo de assegurar a supremacia militar por meio do desenvolvimento de tecnologias avançadas de mísseis.

    "A distorção dos EUA [dos fatos] sobre as violações do acordo por parte da Rússia e a ameaça de mísseis da China nada mais é do que um desempenho inapropriado destinado a enganar outros", destacou.

    Na quinta-feira (12), o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, elogiou o teste bem-sucedido de míssil de baseamento terrestre anteriormente proibido pelo Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF, na sigla em inglês), salientando que foram necessários menos de nove meses, em vez dos habituais dois anos, para passar do conceito ao lançamento.

    Saída do INF

    De acordo com Esper, os trabalhos de desenvolvimento do míssil começaram depois que Washington saiu do INF.

    O vice-presidente do Comitê de Defesa da Duma da Rússia, Andrei Krasov, afirmou que é impossível construir um míssil dentro deste período, ressaltando que o teste bem-sucedido desse projétil, que levou nove meses para ser construído, confirma que os EUA violaram as disposições do acordo.

    Destruição de mísseis de curto alcance no âmbito do Tratado INF com os EUA (foto de arquivo)
    © Sputnik / Yuri Kuydin
    Destruição de mísseis de curto alcance no âmbito do Tratado INF com os EUA (foto de arquivo)

    O Tratado INF, assinado entre os EUA e a União Soviética em 1987, foi encerrado em 2 de agosto por iniciativa da administração Trump, após Washington ter suspendido formalmente suas obrigações do INF seis meses antes.

    Ambos os países se acusaram repetidamente de violar o acordo que proibia o lançamento de mísseis balísticos e de cruzeiro com alcance de 500 a 5.500 km.

    Mais:

    Pentágono testa pela 1ª vez míssil balístico antes proibido pelo Tratado INF (VÍDEO)
    Risco de conflito nuclear hoje é maior do que na Guerra Fria, diz ex-chefe do Pentágono
    Sistema de precisão de armas dos EUA sobe aos céus contra 'adversários'
    Tags:
    Hua Chunying, violação, EUA, China, Tratado INF, míssil balístico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar