17:35 05 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    9152
    Nos siga no

    A posse de Alberto Fernández como novo presidente da Argentina abre a possibilidade de o país sul-americano rever a inclusão do Hezbollah no registro de "organizações terroristas" criado pelo governo de Mauricio Macri em 2019.

    O Registro Público de Pessoas e Entidades Ligadas a Atos de Terrorismo e Seu Financiamento foi formalmente criado em 17 de julho de 2019 por decreto assinado pelo presidente Macri e sua ministra da Segurança, Patricia Bullrich. A medida foi apresentada na ocasião do aniversário do ataque à Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) antes da visita do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, a Buenos Aires.

    Embora não o tenha mencionado especificamente, o mecanismo incluiu a organização Hezbollah, implicada pela Justiça argentina no ataque à AMIA em 18 de julho de 1994.

    A inclusão de indivíduos ou organizações no registro permite a "identificação confiável" de seus membros, além de congelar os ativos financeiros de todas as possíveis partes envolvidas.

    Influências a favor e contra o registro

    A resolução foi questionada no momento pela comunidade árabe da Argentina. Em julho, o analista internacional Galeb Moussa, ex-presidente da Federação das Entidades Argentino-Árabes de Buenos Aires, disse que "ninguém tem provas para declarar o Hezbollah como organização terrorista".

    O analista também apontou a influência da diplomacia norte-americana e israelense sobre os governos da Argentina, Paraguai e Brasil, que em meados de 2019 também acabaram por designar o Hezbollah como "terrorista".

    Em meio à transição, a política de segurança de Alberto Fernández poderia significar uma viragem de rumo, caso a antropóloga social e pesquisadora do Conselho Nacional de Investigações Científicas e Técnicas (Conicet) Sabina Frederic seja nomeada como chefe da pasta de Segurança.

    Militantes do grupo xiita libanês Hezbollah
    © AP Photo / Mohammed Zaatari
    Militantes do grupo xiita libanês Hezbollah

    Recentemente, a possível governante se manifestou contra a Argentina ter incluído o Hezbollah no registro.

    "É comprar um problema que não temos. Foi uma exigência dos Estados Unidos ao governo [argentino]. O terrorismo é um problema da OTAN, não é nosso", disse ela em entrevista à Ámbito.com.

    A questão havia sido abordada no final de novembro pelo próprio Alberto Fernández em uma reunião que manteve com o embaixador de Israel na Argentina, Galit Ronen. Embora não houvesse confirmação oficial do conteúdo da reunião, a mídia argentina informou que o presidente eleito transmitiu ao diplomata sua intenção de remover a organização libanesa da lista de terroristas.

    Mais:

    Trump volta a impor tarifas sobre aço e alumínio de Brasil e Argentina
    Uruguai perde com fiasco econômico de Brasil e Argentina: 'Vizinhos estão doentes', diz Mujica
    Dólar cai em relação ao euro após Trump impor tarifas contra Brasil e Argentina
    Tags:
    Hezbollah, Alberto Fernández, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar