07:26 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    350
    Nos siga no

    O Banco Central do Chile cortou sua previsão de crescimento econômico para 2019 e 2020 nesta quinta-feira (5), alertando para as semanas de protestos que o país enfrenta. 

    As manifestações mais violentas e generalizadas que atingiram o Chile desde seu retorno à democracia em 1990 deixaram pelo menos 26 mortos. O caos assustou investidores e turistas, atrapalhou portos, rodovias e o transporte público, afirma a agência de notícias Reuters.

    Em suas primeiras perspectivas financeiras trimestrais divulgadas desde o início dos protestos, o Banco reduziu sua estimativa de crescimento em 2019 para 1%, de uma previsão anterior de 2,25% a 2,75%. Já a previsão para 2020 caiu para 0,5% a 1,5%, ante a perspectiva anterior de 2,75% a 3,75%.

    Já a previsão da inflação em 2019 subiu de 2,7% para 3,4%. 

    "O cenário macroeconômico sofreu uma mudança abrupta após meados de outubro", afirmou o Banco em seu relatório.

    A agência de classificação de risco Fitch disse na quarta-feira que o impacto dos protestos pode levar a economia chilena a uma recessão técnica e que o cenário poderá mudar no atual e próximo semestre. 

    Mais:

    Oposição do Chile apresenta acusação constitucional contra presidente Piñera
    Munição contra manifestantes: balas de borracha geram polêmica após proibição no Chile
    Bolsonaro diz que manifestações no Chile 'são atos terroristas'
    Chile: Piñera anuncia projeto para aumentar funções das Forças Armadas e aumento do efetivo policial
    Chile vende 20 milhões de dólares tentando conter desvalorização do peso
    Tags:
    economia, Sebastián Piñera, protestos, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar