19:48 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Ex-presidente do Uruguai e atual senador, José Mujica, durante conferência na Universidade Iberoamericana (UIA), na Cidade do México, em 2 de dezembro de 2019

    Uruguai perde com fiasco econômico de Brasil e Argentina: 'Vizinhos estão doentes', diz Mujica

    © REUTERS / Luis Cortes
    Américas
    URL curta
    8132
    Nos siga no

    Em visita ao México, o ex-presidente do Uruguai, José Mujica, fala sobre derrocada da esquerda no país e futuro da América Latina e alerta: solução não está nas "velhas instituições" como a OEA.

    Em conversas com estudantes e jornalistas, o ex-presidente e atual senador uruguaio, José "Pepe" Mujica, disse que a América Latina deve se unir para enfrentar os desafios geopolíticos atuais.

    "Sou um sonhador. A América Latina é uma nação ainda não construída [...] construímos vários países. Mas ainda não construímos uma nação", disse.

    Para ele, as grandes potências estão se unindo em grandes blocos multinacionais. Nesse contexto, uma América Latina dividida não teria futuro.

    "O mundo está se organizando em torno de unidades colossais de Estados multinacionais. A China é uma nação multinacional milenária, a Índia também. A Europa, com todas as suas contradições, luta há um tempo por se unir", explicou.

    "E a grande pergunta é: o que vamos fazer nesse mundo nós os latino-americanos atomizados em um conjunto de repúblicas?", questionou.

    Para ele, a solução para a divisão latino-americana será apresentada pelas novas gerações, e não por "instituições velhas [...] como a Organização dos Estados Americanos (OEA)".

    Derrota na esquerda no Uruguai

    Questionado sobre a recente derrota da coalizão de esquerda no Uruguai, Mujica considerou que a estagnação econômica no país, causada em certa medida pelas crises no Brasil e Argentina, teve papel fundamental na vitória do candidato da centro-direita Luis Lacalle Pou nas últimas eleições presidenciais.

    "Tivemos um período de crescimento, mas agora a economia está um pouco congelada, porque temos dois vizinhos enormes que estão doentes", disse.

    Para o senador, o Uruguai deve se esforçar para não ser "arrastado" para a estagnação econômica da Argentina e do Brasil.

    Mujica deixa sessão eleitoral com seu famoso fusca azul claro, em Montevidéu, em 27 de outubro de 2019
    © AP Photo / Matilde Campodonico
    Mujica deixa sessão eleitoral com seu famoso fusca azul claro, em Montevidéu, em 27 de outubro de 2019

    Visita a Evo Morales

    Mujica contou que visitou o mandatário deposto da Bolívia, Evo Morales, que recebeu asilo político no México:

    "Sou amigo de Evo há muitos anos [...] Nós fomos presidentes, mas não deixamos de ser humanos e temos sentimentos […] Fui visitar um latino americano machucado", contou.

    O ex-presidente agradeceu ao México por fornecer asilo ao boliviano e manifestou esperança de que a crise no país andino se resolva de maneira democrática:

    "Espero que a desgraça que assola a Bolívia possa ser superada. Parece que há uma saída mais ou menos democrática”, disse, se referindo às prováveis eleições gerais bolivianas.

    Recebi a visita do meu irmão Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai e lutador social incansável pela dignidade dos nossos povos. Agradeço a sua solidariedade com a nossa querida Bolívia nesses tempos.

    Mujica demonstrou preocupação com a ascensão da intolerância e do fanatismo na América Latina:

    "O fanatismo é uma atitude humana. É a negação permanente da convivência, da aceitação intelectual do diferente. O fanatismo é negar o reinado da dúvida. O fanatismo significa ignorar o pouco que sabemos e significa não tolerar a nossa pequenez diante dos desafios que temos que enfrentar", considerou.

    Em 28 de novembro, o Tribunal Eleitoral do Uruguai confirmou a vitória do candidato do Partido Nacional, considerado de centro-direita, Luis Lacalle Pou, nas eleições presidenciais. A vitória colocou fim a 15 anos de governo da esquerda no país platino.

    Sapatos do senador e ex-presidente uruguaio José Mujica. Com 84 anos, Mujica governou o Uruguai entre 2010 e 2015
    © REUTERS / Luis Cortes
    Sapatos do senador e ex-presidente uruguaio José Mujica. Com 84 anos, Mujica governou o Uruguai entre 2010 e 2015

    José "Pepe" Mujica, por sua vez, foi eleito senador pela coalizão de esquerda Frente Ampla. O agricultor e político foi presidente do Uruguai entre 2010 a 2015, quando obteve 65% de aprovação pela sua gestão.

    O ex-presidente e atual senador recebeu o título de "doutor honoris causa" da Universidade Ibero-Americana, na Cidade do México.

    Mais:

    Uruguai apresenta uma possível saída para a polarização presente na América Latina, diz analista
    Maconha legalizada deu prejuízos de US$ 22 milhões ao narcotráfico, diz governo uruguaio
    Fernández tem uma tarefa 'titânica' na Argentina, diz vice-presidente do Uruguai
    Tags:
    América Latina, México, Evo Morales, José Mujica, Pepe Mujica, Uruguai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar