14:47 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    429
    Nos siga no

    A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, revogou o decreto que isentava de responsabilidade criminal os militares trabalhando nos protestos que o país enfrenta.

    Ao longo de mais de um mês de manifestações, 33 pessoas morreram. 

    Áñez disse que tomou a decisão depois de considerar que a "pacificação" do país foi alcançada após diferentes forças políticas concordaram em avançar em um plano para convocar novas eleições presidenciais.

    O decreto foi publicado em 16 de novembro, em um dos momentos mais violentos dos protestos. Um dia antes, oito plantadores de coca e defensores do ex-presidente Evo Morales haviam sido mortos na cidade de Sacaba, informa a agência de notícias Associated Press.

    O decreto foi criticado dentro e fora da Bolívia e considerado um estímulo à violência. 

    "Nosso governo teve que recorrer a uma medida dessas características porque enfrentou ações violentas que nunca vivemos em nossa história e que não queremos viver novamente", disse a presidente interina. 

    Áñez também agradeceu a participação das Forças Armadas: "Por causa de sua participação determinada e oportuna, que evitou atitudes de vandalismo e confronto", disse em referência ao dia 20 de novembro, quando um confronto entre manifestantes que fechavam o acesso a uma refinaria e militares terminou com nove manifestantes mortos. O incidente ocorreu na cidade de El Alto. 

    Mais:

    Presidente da Bolívia confirma novas eleições
    Bolívia nomeia embaixador nos EUA após 11 anos
    Diplomacia russa diz que Moscou nunca pretendeu reconhecer governo interino da Bolívia
    Canal russo RT terá sua transmissão cortada na Bolívia
    Após 10 anos, Bolívia restabelece relações diplomáticas com Israel
    Tags:
    repressão, Evo Morales, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar