05:54 21 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    407
    Nos siga no

    A Bolívia nomeou seu primeiro embaixador nos Estados Unidos em 11 anos, medida implementada pelo governo interino como parte da reformulação da política externa do país após a renúncia de Evo Morales.

    Em 2008, os governos americano e boliviano expulsaram mutuamente seus embaixadores. Desde então, a relação diplomática entre os dois países não se normalizou. 

    O ministério das Relações Exteriores da Bolívia nomeou para o posto o diplomata Walter Oscar Serrate Cuellar. A indicação precisa ser aprovada pelo Congresso. Em outros passos da nova política externa, o governo interino rompeu laços com Cuba e Venezuela. 

    Cuellar atuou no passado como embaixador e representante permanente da Bolívia nas Nações Unidas. 

    Evo Morales, que governou o país por quase 14 anos, renunciou ao cargo no dia 10 de novembro e se exilou no México. A crise boliviana começou após as eleições de 20 de outubro, vencidas pelo líder indígena, mas que foi colocada sob suspeita pela oposição. 

    Uma onda de protestos tomou conta do país e os militares chegaram a sugerir a saída de Morales, o que forçou sua renúncia. Ele diz ter sido vítima de um golpe. Em seguida, a senadora Jeanina Áñez se declarou presidente interina. 

    O parlamento boliviano, liderado pelo partido de Morales, o Movimento para o Socialismo (MAS), aprovou lei para convocar eleições gerais no ano que vem.

    Mais:

    Presos na Bolívia, médicos cubanos foram liberados e voam rumo a Cuba
    Morales diz querer voltar à Bolívia e aguarda por garantias de segurança do governo interino
    Inteligência russa: eventos na Bolívia são tentativa de desestabilizar situação na América Latina
    Tags:
    protestos, embaixada, diplomacia, golpe, Evo Morales, EUA, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar