12:24 08 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    5142
    Nos siga no

    O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou nesta quarta-feira (20) que situação no país hoje representa "um massacre" por parte do governo interino.

    "Desde segunda-feira [18 de novembro] até ontem [19 de novembro], temos cerca de 30 mortos, este massacre faz parte de um genocídio que está acontecendo em nossa amada Bolívia", disse o ex-presidente em entrevista coletiva no Cidade do México.

    O ex-presidente da Bolívia denunciou que a Organização dos Estados Americanos (OEA) e o secretário-geral da organização, Luis Almagro, apoiaram o golpe na Bolívia.

    "A OEA e Luis Almagro aderiram ao golpe de Estado. Peço a uma comissão internacional que verifique como a OEA se juntou ao golpe", afirmou.

    Além disso, Morales disse que está procurando uma "saída negociada" para a crise política na Bolívia.

    Polícia lança gás lacrimogêneo em apoiadores de Evo Morales em La Paz, na Bolívia
    © REUTERS / Marco Bello
    Polícia lança gás lacrimogêneo em apoiadores de Evo Morales em La Paz, na Bolívia
    Desde o início dos protestos na Bolívia já foram registradas 26 mortes. O governo interino do país alega que a violência no país vem sendo causada por pessoas que "estão sendo pagas para causar terror, pânico e destruição de propriedades estatais".

    A onda de protestos na Bolívia começou após a realização das eleições em 20 de outubro, quando a oposição não reconheceu a reeleição no primeiro turno de Evo Morales, acusando o pleito de fraude.

    Mais:

    Morales: Mesa, Camacho e Áñez temem que eu volte para pacificar Bolívia
    10 anos em 7 dias: Bolívia reverte políticas de Morales rapidamente sob Jeanine Áñez
    Bolívia registra mais 3 mortes durante protestos de apoio a Evo Morales
    Tags:
    genocídio, protestos, Evo Morales, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar