11:27 22 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    16619
    Nos siga no

    O governo interino da Bolívia anunciou a criação de um "instrumento especial" que se encarregará de prender os legisladores vinculados ao Movimento ao Socialismo (MAS), o partido de Evo Morales, "que cometam atos subversivos e sedição".

    O ministro interino do Interior, Arturo Murillo, afirmou que as prisões vão ser iniciadas nesta segunda-feira (18). "A partir de segunda-feira vou ordenar, e já tenho listas que estão sendo passadas por líderes de várias zonas, vão começar a detê-los com ordens fiscais", declarou.

    "Há senadores e senadoras, deputados e deputados, nem todos, alguns deles, alguns deles, que vou começar a publicar seus nomes, que estão fazendo subversão", assegurou o ministro interino do Interior, Arturo Murillo.

    Ele também afirmou que tanto "os líderes como os próprios cidadãos" repassam informações sobre as pessoas que "estariam cometendo rebelião contra o atual governo interino".

    O presidente deposto Evo Morales reagiu no Twitter:

    ​"No lugar da pacificação, ordenam a difamação e a repressão contra os irmãos do campo que denunciam o golpe de Estado. Depois de massacrar 24 indígenas, estão agora preparando um Estado de Sítio. Seria a confirmação de que, ao pedir democracia, instalaram uma ditadura"

    Indo atrás de 'traidores'

    Já na semana passada, quando assumiu interinamente o Ministério do Governo, Murillo afirmou que o novo Executivo do país sul-americano irá "à caça" de Juan Ramón Quintana, ministro da Presidência durante a Administração Socialista, e Raúl García Linera, irmão do ex-presidente Álvaro García Linera, exilado no México.

    Apoiadores de Evo Morales empunham a bandeira Wiphala em novos protestos em La Paz, em 14 de novembro de 2019
    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Apoiadores de Evo Morales empunham a bandeira Wiphala em novos protestos em La Paz, em 14 de novembro de 2019
    "Que comecem a correr, vamos apanhá-los. Não vamos permitir que ninguém mais continue fazendo sedição no país", declarou minutos depois de tomar posse.

    Murillo acredita que Quintana e García Linera foram supostamente responsáveis pelos tumultos que ocorreram no domingo (17) após a renúncia de Morales, que deixou o cargo após o pedido público de renúncia feito pelas Forças Armadas e pela Polícia.

    Um decreto controverso

    Na sexta-feira (15), foi publicado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) um decreto assinado pelo governo interino.

    O texto autoriza os militares a usar "todos os meios disponíveis" para controlar as manifestações e isenta de "responsabilidade criminal o pessoal das Forças Armadas bolivianas que participam de operações para restaurar e estabilizar a ordem interna". A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) denunciou no sábado (16) a emissão do mesmo como um "decreto grave".

    De acordo com estimativas da CIDH, um total de 23 pessoas foram assassinadas e 715 feridas desde 20 de outubro, dia das eleições na Bolívia, 20 delas desde a renúncia de Morales.

    Mais:

    Maduro diz que ordenou que diplomatas venezuelanos deixassem a Bolívia
    Presos na Bolívia, médicos cubanos foram liberados e voam rumo a Cuba
    Comissão de Direitos Humanos: mais mortes são registradas na Bolívia
    Tags:
    Evo Morales, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar