23:50 05 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente Donald Trump encontra seu homólogo ucraniano, Vladimir Zelensky, no hotel InterContinental Barclay em Nova York, Estados Unidos

    Ligação de Trump para líder da Ucrânia foi 'incomum e inapropriada', diz assessor de Pence

    © AP Photo / Evan Vucci
    Américas
    URL curta
    420
    Nos siga no

    O telefonema entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o seu homólogo ucraniano no centro da investigação de impeachment do Congresso foi "inadequado", disse um assessor de política externa do vice-presidente Mike Pence aos legisladores.

    Jennifer Williams, que estava ouvindo a ligação em 25 de julho, testemunhou que a insistência de Trump de que a Ucrânia realize investigações politicamente sensíveis "me pareceu incomum e inapropriado", de acordo com uma transcrição divulgada neste sábado.

    A Câmara dos Representantes também divulgou neste sábado uma transcrição de um depoimento a portas fechadas de Tim Morrison, assessor da Casa Branca no Conselho de Segurança Nacional focado nas políticas da Europa e da Rússia.

    Como Williams, Morrison afirmou aos parlamentares que tinha preocupações sobre as observações de Trump ao presidente ucraniano Vladimir Zelensky. Williams e Morrison devem testemunhar publicamente na próxima semana.

    "Eu não estava confortável com nenhuma ideia de que o presidente Zelensky deveria se envolver em nossa política", comentou Morrison, que também estava na chamada.

    Polêmica com Biden

    O apelo de Trump está no centro da investigação liderada pelos democratas sobre se o presidente republicano usou mal a política externa dos EUA para minar o ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden, um de seus possíveis oponentes nas eleições de 2020.

    Morrison se recusou a dizer que achava a ligação ilegal ou imprópria, enfatizando que achava que ela vazaria e prejudicaria as relações com a Ucrânia.

    Em uma divulgação que chamou mais atenção na primeira audiência pública na semana passada, o embaixador interino na Ucrânia, William Taylor, apontou o grande interesse de Trump em conseguir que o aliado do leste europeu investigasse Biden e reiterou seu entendimento de que US$ 391 milhões em ajuda de segurança dos EUA seriam retidos, a menos que Kiev cooperasse.

    Ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden em comício de sua campanha nas primárias democratas
    © REUTERS / Aaron P. Bernstein
    Ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden em comício de sua campanha nas primárias democratas

    Morrison disse que revisou o testemunho de Taylor e não o contestou em nenhum ponto significativo.

    Os investigadores também ouviram testemunhos a portas fechadas de um funcionário do orçamento da Casa Branca sobre a retenção de ajuda militar à Ucrânia. Mark Sandy, um oficial de carreira do Escritório de Administração e Orçamento, é a primeira pessoa do órgão a testemunhar no inquérito, depois que três nomeados políticos desafiaram as intimações do Congresso.

    O representante democrata Jamie Raskin, membro do Comitê Judiciário e de Supervisão, declarou que Sandy foi trazido para esclarecer se a ajuda militar foi realizada por razões políticas.

    "Esta é uma parte técnica de nossa investigação", pontuou Raskin a repórteres do lado de fora da sala de entrevistas. "Queremos saber exatamente como o presidente traduziu seu objetivo político de abalar o governo ucraniano pelos favores que desejava [para] o processo orçamentário".

    Reação de Trump

    Na sexta-feira, Trump usou o Twitter para criticar uma ex-embaixadora dos EUA na Ucrânia, Marie Yovanovitch, enquanto testemunhava uma audiência de impeachment, um momento extraordinário que os democratas disseram ter testemunhado intimidação. Trump defendeu seu ataque a Yovanovitch, dizendo que ele tinha o direito à liberdade de expressão.

    Yovanovitch, diplomata de carreira, testemunhou no segundo dia de audiências televisionadas de impeachment, que serão retomadas na próxima semana.

    Enquanto o testemunho de Yovanovitch dominava as manchetes na sexta-feira, um depoimento a portas fechadas realizado no final do dia com David Holmes, um funcionário da embaixada dos EUA em Kiev, poderia ter mais consequências.

    Holmes disse aos parlamentares que ouviu um telefonema entre Trump e Gordon Sondland, embaixador dos EUA na União Europeia, no qual o presidente perguntou sobre a disposição da Ucrânia em investigar Biden e seu filho.

    A ligação ocorreu em 26 de julho, um dia após a agora infame conversa telefônica entre Trump e Zelensky.

    "Então, ele vai fazer a investigação?", perguntou Trump a Sondland, referindo-se a Zelensky, de acordo com o testemunho de Holmes. "Ele vai fazer isso", respondeu Sondland, acrescentando que o presidente ucraniano faria "qualquer coisa que você pedir", segundo Holmes.

    O testemunho de Holmes, assessor de Taylor, vincula Trump mais diretamente a uma campanha de pressão na Ucrânia para investigar os Bidens liderados pelo advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani.

    A declaração de Holmes parece contradizer o testemunho juramentado anterior de Sondland sobre suas interações com Trump, no qual ele não mencionou seu telefonema em 26 de julho com o presidente.

    Sondland, que já revisou seu testemunho uma vez, deve testemunhar publicamente na quarta-feira.

    O deputado Eric Swalwell, democrata no Comitê de Inteligência da Câmara, comentou a repórteres no sábado que os líderes da Câmara estavam considerando levar Holmes para uma audiência pública.

    Mais:

    Presidente ucraniano prepara visita aos EUA apesar de processo de impeachment
    Casa Branca diz que administração Trump não participará do 'teatro do impeachment dos democratas'
    Impeachment de Trump: republicanos exigem testemunho público de delator
    Tags:
    impeachment, Rudy Giuliani, Beau Biden, Joe Biden, diplomacia, Vladimir Zelensky, Mike Pence, Donald Trump, Ucrânia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar