13:04 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente dos EUA, Donald Trump, em evento do Partido Republicano.

    Evo Morales condena Trump por reconhecer governo autoproclamado na Bolívia

    © AP Photo / Jose Luis Magana
    Américas
    URL curta
    574
    Nos siga no

    O presidente deposto da Bolívia, Evo Morales, afirmou nesta quarta-feira (13) através do Twitter que o golpe de Estado na Bolívia é uma conspiração política dos EUA.

    De acordo com ele, o processo político que culminou na sua renúncia e na ascensão da senadora da oposição, Jeanine Áñez Chávez, que se declarou presidente interina do país, é um golpe "racista e fascista".

    "Eu denuncio ao mundo esse novo ataque do golpe de Estado inconstitucional, ilegal e criminal na minha querida Bolívia. Hoje, os legisladores municipais foram brutalmente reprimidos e impedidos de entrar na Assembleia. O golpe racista e fascista mergulha na ilegalidade", afirmou Morales.

    Ele condenou a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump de reconhecer o governo autoproclamado, comparando o apoio norte-americano à oposição na Venezuela com o apoio à direita na Bolívia.

    ​Condenamos a decisão de Trump de reconhecer o governo de fato e auto-proclamado pelo direita. Depois de impor Guaidó, ele agora proclama Áñez. O golpe de Estado que causa mortes de meus irmãos bolivianos é uma conspiração política e econômica que vem dos EUA

    "La Paz tornou-se um campo de repressão militar e policial contra o povo que denuncia o golpe de estado. Aqueles que disseram que lutaram pela democracia impuseram uma ditadura da polícia militar que apoia um governo ilegal e inconstitucional com botas e rifles", completou.

    Bolívia em crise

    A Bolívia vive uma onda de grandes protestos e violência por conta da contestação às eleições de 20 de outubro, que apontaram a reeleição de Morales no primeiro turno. O resultado foi considerado como uma "fraude" pela oposição.

    Em meio à forte instabilidade no país, Evo Morales renunciou à presidência do país no último domingo (10) após exigência das Forças Armadas e recebeu asilo no México. A senadora Jeanine Áñez, da oposição, se autoproclamou presidente interina.

    Mais:

    Forças Armadas da Bolívia apoiam presidência de Jeanine Áñez
    Presidente interina da Bolívia nega golpe de Estado: 'reposição da legalidade constitucional'
    Colômbia reconhece Jeanine Áñez como presidente interina da Bolívia
    Tags:
    renúncia, protesto, golpe de Estado, Evo Morales, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar