11:12 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Ex-presidente boliviano Evo Morales desembarca no aeroporto da Cidade do México

    'Salvaram minha vida': avião com ex-presidente boliviano Evo Morales pousa no México (VÍDEOS)

    © REUTERS / Luis Cortes
    Américas
    URL curta
    4255
    Nos siga no

    A aeronave que transportou o ex-presidente boliviano Evo Morales aterrissou na Cidade do México, mostraram dados do serviço de rastreamento de voo Flightradar24 confirmados por autoridades mexicanas nesta terça-feira.

    A aeronave fez uma "parada técnica" no Paraguai depois de deixar a Bolívia na noite de segunda-feira, informaram os meios de comunicação, citando fontes no Ministério de Relações Exteriores do México.

    Evo Morales já está no México

    ​Evo Morales, que transformou a Bolívia como seu primeiro presidente indígena, voou para o exílio no México, após semanas de protestos violentos, deixando para trás um confuso vácuo de poder no país andino. Comentando sobre a situação atual, Morales declarou que o México salvou sua vida ao lhe oferecer refúgio, alegando que ele era alvo de um plano de assassinato e relatando que as casas dele e de suas irmãs na Bolívia foram saqueadas.

    Morales foi recebido no aeroporto da Cidade do México pelo ministro de Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, após um voo da Bolívia em um avião do governo mexicano. O diplomata mexicano publicou uma foto de Morales segurando a bandeira do México, dizendo que o avião havia saído da Bolívia e que Morales estava seguro.

    Já decolou o avião da Força Aérea do México com Evo Morales a bordo. De acordo com as convenções internacionais vigentes, [Evo] está sob a proteção do México. Suas vida e integridade estão salvas

    ​Ebrard afirmou que diplomatas mexicanos tiveram que se esforçar para organizar uma rota de voo para o avião, porque algumas nações inicialmente fecharam o espaço aéreo.

    Os partidários e inimigos de Morales mais uma vez se dirigiram a confrontos nas ruas da capital da Bolívia nesta terça-feira, mesmo quando o líder da oposição traçou um caminho possível - mas ainda incerto - para novas eleições após a renúncia do presidente.

    Vácuo no poder

    Ameaçado por líderes militares, Morales deixou o cargo no domingo, após semanas de protestos generalizados, alimentados por alegações de fraude eleitoral nas eleições presidenciais de 20 de outubro que ele alegou ter vencido.

    As renúncias de todos os outros sucessores designados constitucionalmente não deixaram claro quem tomaria seu lugar e como.

    A segunda vice-presidente do Senado, a política da oposição Jeanine Anez, convocou uma sessão legislativa na terça-feira para aceitar formalmente a renúncia de Morales e escolher um substituto provisório.
    Segundo o plano, ela assumiria temporariamente o controle do Senado, tornando-a a próxima na fila para a presidência.

    "O país está passando por momentos dramáticos e todos os parlamentares têm a obrigação de dar certeza ao país", disse ela em entrevista coletiva. Mas não ficou claro imediatamente se a sessão ocorreria ou se a maioria dos senadores iria junto. Os apoiadores de Morales ainda têm maioria.

    Fim de longa trajetória

    A saída de Morales foi uma queda dramática para o ex-sindicalista de coca que, como presidente, ajudou a eliminar milhões de pessoas da pobreza, aumentou os direitos sociais e presidiu quase 14 anos de estabilidade e alto crescimento econômico.

    Manifestante segura uma bomba de gás lacrimogênio nas mãos, em meio à conflitos entre manifestantes na Bolívia, no dia 5 de novembro
    © REUTERS / David Mercado
    Manifestante segura uma bomba de gás lacrimogênio nas mãos, em meio à conflitos entre manifestantes na Bolívia, no dia 5 de novembro

    No final, porém, sua queda foi motivada por sua insistência em manter o poder, apesar de um referendo público contra reeleições contínuas.

    "Dói-me deixar o país por razões políticas, mas sempre me preocuparei", disse Morales no Twitter. "Voltarei em breve, com mais força e energia."

    Apoiadores zangados do líder socialista incendiam barricadas para fechar algumas estradas que levam ao principal aeroporto do país na segunda-feira, enquanto seus inimigos bloquearam a maioria das ruas que levam à praça principal da capital em frente ao Congresso e ao palácio presidencial. A polícia pediu aos moradores de La Paz que ficassem em suas casas e as autoridades disseram que o exército se juntaria aos esforços de policiamento para evitar uma escalada de violência.

    A mídia local informou que os apoiadores de Morales estavam marchando em La Paz a partir da cidade vizinha de El Alto, um reduto de Morales, para tentar quebrar os bloqueios de ruas provocados por seus oponentes e chegar à praça principal da capital.

    Mas as tensões foram dissipadas depois que o general Williams Kaliman, chefe das Forças Armadas, anunciou uma operação policial-militar conjunta em um discurso na televisão. Ele disse que a esperança era "evitar derramamento de sangue e luto da família boliviana" e instou os bolivianos a ajudar a restaurar a paz.

    "Foi uma noite de medo. Eu não conseguia dormir e continuava orando", disse Yorka Lopez, uma dona de casa, que distribuía café quente a vizinhos que ficavam a noite inteira nas ruas vigiando casas e empresas. O ministro da Defesa Javier Zavaleta, político veterano e aliado de Morales, renunciou à decisão de enviar as Forças Armadas.

    Alguma sensação de normalidade estava voltando para algumas cidades na terça-feira, com as empresas enrolando as chapas de metal que os haviam impedido de saquear nos últimos dias, mas alguns serviços continuaram interrompidos.

    Tags:
    Evo Morales, exílio, Cidade do México, México, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar