02:07 27 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    14183
    Nos siga no

    O presidente dos EUA afirmou que a partida do mandatário boliviano envia um "forte sinal" aos governos da Venezuela e Nicarágua.

    Após a renúncia do presidente boliviano, Evo Morales, vários líderes da região expressaram apoio ao ex-mandatário, enquanto outros fizerem eco às supostas irregularidades relatadas nas últimas eleições presidenciais.

    O presidente norte-americano Donald Trump assegura que "a saída de Morales preserva a democracia", saudando a postura do Exército do país andino.

    "Estes eventos enviam um forte sinal aos regimes ilegítimos da Venezuela e Nicarágua de que a democracia e a vontade popular sempre prevalecem. Agora estamos um passo mais próximos de um hemisfério ocidental completamente democrático, próspero e livre" declara o comunicado da Casa Branca.

    Diante deste pronunciamento, o mandatário venezuelano, Nicolás Maduro, acusou os EUA de serem os promotores do golpe de Estado que conduziu à saída do presidente boliviano. "O olhar de Donald Trump foi de vingança, de ódio e deu a ordem de derrubar e acabar com o índio […] e se montou a emboscada", afirmou o líder da Venezuela.

    Maduro afirmou que a continuará lutando pela pátria, paz e soberania na região. "Isto não terminou, apenas começa uma nova etapa da revolução boliviana, da revolução sul-americana", enfatizou o presidente venezuelano.

    Suas declarações foram apoiadas pelo presidente da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, Diosdado Cabello, que alertou para a repressão policial contra o povo boliviano. "Hoje temos visto imagens terríveis da Bolívia", agregou o político, após salientar que o golpe de Estado foi imposto por Washington diante do fracasso da oposição nas eleições.

    Manifestante segura uma bomba de gás lacrimogênio nas mãos, em meio à conflitos entre manifestantes na Bolívia, no dia 5 de novembro
    © REUTERS / David Mercado
    Manifestante segura uma bomba de gás lacrimogênio nas mãos, em meio à conflitos entre manifestantes na Bolívia, no dia 5 de novembro
    "A defesa da revolução e da pátria está em mobilização total, sobretudo no cenário da agressão imperialista ao nosso irmão", reitera Cabello.

    Finalmente, Maduro enviou um mensagem a Morales através do Twitter: "Força Evo! Sua humildade o faz maior e maior, você é um líder extraordinário, como poucos outros neste mundo. Estou certo de que, mais cedo ou mais tarde, você voltará com milhões de pessoas e com o apoio de todo o povo boliviano que te admira e te ama. Ganharemos, irmão!"

    Mais:

    Exército leal: por que cenário de renúncia presidencial na Bolívia não ocorreu na Venezuela?
    Em meio à crise na Bolívia, manifestantes invadem embaixada da Venezuela (VÍDEO)
    Forças Armadas são enviadas às ruas na Bolívia para conter protestos
    Tags:
    protestos, Donald Trump, Eleições na Bolívia, Bolívia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar