00:33 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos preparam carga que será levada pelo helicóptero norte-americano CH-53, Tailândia (foto de arquivo)

    EUA querem aumentar presença militar no Indo-Pacífico

    © AP Photo/ Apichart Weerawong
    Américas
    URL curta
    217
    Nos siga no

    Durante coletiva de imprensa no Pentágono, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, disse que "é necessário estar mais presente" no Indo-Pacífico.

    A frase da autoridade americana foi dita em resposta a pergunta feita por jornalista à ministra da Defesa da Austrália, Linda Reynolds, sobre as atividades da China no Pacífico Sul.

    Embora a ministra não tenha proferido palavras direcionadas à política chinesa no Indo-Pacífico durante a coletiva de imprensa no Pentágono, o secretário de Defesa americano, Mark Esper, deixou claro que os EUA querem aumentar sua presença na região.

    "Nossa estratégia de Defesa Nacional ressalta que nossa preocupação principal é a região do Indo-Pacífico. Para implementar isso, preciso deslocar forças para a região. Preciso estar mais presente na região", publicou a fala de Esper a Secretaria de Defesa dos EUA.

    Mísseis na Ásia

    Esta não é a primeira vez que Mark Esper deixa claro a sua intenção de aumentar a presença militar dos Estados Unidos na região.

    Ainda em 3 de agosto, a autoridade americana havia dito que queria instalar mísseis balísticos na Ásia quanto antes.

    Mark Esper acusou a China de ter um comportamento agressivo no Indo-Pacífico, ao passo que os EUA e a Austrália decidiram investir bilhões de dólares na modernização de suas bases na região.

    Mais:

    Secretário de Estado dos EUA ataca China: 'Diferenças fundamentais entre nossos sistemas'
    Analistas esclarecem: Trump está usando protestos em Hong Kong para negociar com a China?
    EUA manterão tropas na Síria para 'proteger' campos petrolíferos do acesso do Daesh
    Tags:
    EUA, Oceano Índico, Pacífico, presença militar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar