08:17 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    A cerimônia de colocação de flores na chama eterna no Memorial das Vítimas do Genocídio Armênio em Yerevan.

    Câmara dos Representantes dos EUA reconhece genocídio armênio

    © Sputnik / Asatur Esayants
    Américas
    URL curta
    461
    Nos siga no

    A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou hoje um par de medidas reconhecendo o genocídio armênio de 1915 e apoiando sanções contra a Turquia por sua ofensiva na Síria, complicando ainda mais a relação de Washington com Ancara.

    Com 405 votos a favor e apenas 11 contra, a Casa aprovou uma resolução reconhecendo e condenando o assassinato de aproximadamente 1,5 milhão de armênios, entre 1915 a 1923, pelas autoridades do Império Otomano, evento que o governo turco, na qualidade de herdeiro, sempre tentou negar, argumentando, entre outras coisas, que as alegações de genocídio não levam em consideração que cidadãos turcos também foram mortos nesses massacres.

    "Muitos políticos, diplomatas e instituições americanas reconheceram corretamente essas atrocidades como um genocídio, incluindo o embaixador dos EUA no Império Otomano na época, Henry Morgenthau, e [o ex-presidente] Ronald Reagan", disse o presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, Eliot Engel, do Partido Democrata, citado pelo The Hill. Ele afirmou que "apenas iluminando as partes mais sombrias da nossa história podemos aprender a não repeti-las".

    Os três principais pontos do projeto pedem que os EUA prestem homenagens às vítimas do genocídio armênio, rejeitem esforços para negar o genocídio e trabalhem para educar o público sobre os detalhes que cercam a atrocidade.

    Logo após a aprovação do texto na Câmara, o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, usou as redes sociais para criticar os deputados norte-americanos:

    ​Grande jogo arruinado com a operação Fonte de Paz. Aqueles cujos projetos foram frustrados recorrem a resoluções antiquadas. Os círculos que acreditam que se vingarão dessa maneira estão equivocados. Essa decisão vergonhosa daqueles que exploram a história na política é nula e sem efeito para nosso governo e povo.

    Esse genocídio ocorrido em meio à Primeira Guerra Mundial foi reconhecido como tal pela Rússia, por vários países da União Europeia e pelo Conselho Mundial de Igrejas, entre outros. No início deste ano, o presidente francês, Emmanuel Macron, declarou a data de 24 de abril como o Dia da Memória do Genocídio Armênio no país.

    Embora o Brasil não reconheça oficialmente tal atrocidade, em 2015, o Senado brasileiro aprovou uma resolução reconhecendo o genocídio, decisão que desencadeou fortes tensões com a Turquia à época, levando Ancara a convocar o embaixador turco em Brasília para consultas.

    Mais:

    Por que governo dos EUA nega o genocídio dos índios?
    ONU pede que general de Mianmar seja processado por genocídio contra os Rohingya
    Missionário alerta para risco de genocídio no Médio Xingu
    Ruanda lembra 25 anos de genocídio que matou 800 mil
    Trump é 'servo' dos sauditas por apoio ao genocídio no Iêmen, diz possível rival em 2020
    Witzel diz que vai pedir ajuda da ONU para fechar fronteiras e enfrentar 'genocídio' no Rio
    Tags:
    1915, turcos, Europa, França, Rússia, Brasília, Brasil, Ancara, mortes, genocídio, Primeira Guerra Mundial, Império Otomano, Câmara dos Representantes, EUA, Estados Unidos, Síria, Turquia, Genocídio Armênio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar