07:33 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Mauricio Macri (à esquerda) e Alberto Fernandez (à direita) durante um debate presidencial, em 20 de outubro de 2019

    Na Argentina, 34 milhões vão às urnas em meio a tensão regional

    © REUTERS / Agustin Marcarian
    Américas
    URL curta
    14232
    Nos siga no

    Neste domingo (27), quase 34 milhões de argentinos elegem um novo presidente, além de 130 deputados e 24 senadores. Governadores e legisladores também serão apontados em algumas províncias.

    A eleição mais aguardada, a presidencial, tem 6 candidatos na disputa pelo mandato de 4 anos. Apenas dois candidatos despontaram nas primárias realizadas no dia 11 de agosto deste ano, a exemplo da polarização política que se instalou na Argentina.

    Na época, o candidato Alberto Fernández, do partido Frente de Todos, levou a melhor, com 47% dos votos. Fernández tem em sua chapa a ex-presidente Cristina Kirchner.

    Logo em seguida, ficou o atual presidente Mauricio Macri, do Juntos pela Mudança, que alcançou 32% dos votos e faz um esforço de campanha desde então para tentar um segundo turno nas eleições.

    Para vencer em primeiro turno, um candidato à Presidência na Argentina deve obter 45% dos votos ou mais, ou então 40% dos votos com uma diferença de 10% para o segundo colocado.

    Além da eleição presidencial, serão decididas as lideranças nos distritos mais importantes do país, a cidade e a província de Buenos Aires, que estão nas mãos da situação. A expectativa é que o partido de Macri se mantenha na capital enquanto na região a vitória tende ao kirchnerismo.

    Crise econômica e protestos

    A Argentina vive uma crise econômica e aumento da pobreza. Recentemente o país pediu moratória ao Fundo Monetário Internacional (FMI) por não reunir condições para pagar o empréstimo de US$ 50 bilhões tomado durante o governo Macri. A expectativa do próprio FMI é de que a economia Argentina encolha 3,1% neste ano.

    Mesmo com a crise, o atual presidente conseguiu ser o segundo colocado nas primárias e se dedica a conquistar mais votos desde então e evitar a vitória de Fernández ainda no primeiro turno.

    Apoiadores de Mauricio Macri carregam um boneco inflável da ex-presidente Cristina Kirchner, candidata a vice-presidente com Alberto Fernandez, durante um com comício no dia 24 de outubro de 2019.
    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Apoiadores de Mauricio Macri carregam um boneco inflável da ex-presidente Cristina Kirchner, candidata a vice-presidente com Alberto Fernandez, durante um com comício no dia 24 de outubro de 2019.

    A eleição é observada pelas lideranças regionais de perto, uma vez que os países da região vivem protestos de massa contra o neoliberalismo - caso do Equador e Chile - e é a bola da vez na polarização regional entre direita e esquerda. A mais recente eleição nesse modelo foi a da Bolívia, que teve a vitória em primeiro turno de Evo Morales sobre o principal adversário, Carlos Mesa.

    Mais:

    Argentina pede moratória ao FMI e Fundo relata encontro com Fernández
    Eleições argentinas poderão resultar em investimentos bilionários russos no país, diz especialista
    Favorito à presidência da Argentina fala sobre Malvinas e preocupa Reino Unido, segundo mídia
    Brasil, EUA, Argentina e Colômbia apoiam OEA e pedem 2º turno na Bolívia
    Tags:
    Evo Morales, Bolívia, Equador, Chile, Alberto Fernández, Cristina Kirchner, Mauricio Macri, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar